Rsrs

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 583 (145705 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Dezesseis Luas

BEAUTIFUL CREATURES



Dezesseis

VOLUME 1 –Luas
MARGARET STOHL KAMI GARCIA

Shadow Hunters



http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=115704816










Ethan é um garoto normal de uma pequena cidade,do sul dos Estados Unidos, um pouco entediado ,com a escola, e totalmente atormentado por sonhos, ou melhor pesadelos, com umagarota que ele nunca conheceu. Até que ela aparece… Lena
Duchannes é uma adolescente que luta para esconder seus poderes e uma maldição que assombra sua família há gerações.
Para Nick & Stella, Emma, May & Kate e para todos os que conjuram ou não, em todos os lugares. Há mais de nós do que vocês pensam.
A escuridão não pode expulsar a escuridão; só a luz pode fazer isso. O ódio não podeexpulsar o ódio; só o amor pode fazer isso. Martin Luther King Jr.

ANTES
O meio do nada
Havia apenas dois tipos de gente em nossa cidade. "As burras e as empacadas", que foi como meu pai afetuosamente classificara nossos vizinhos. "Os que estão condenados a ficar ou são burros demais para ir embora. Todos os outros acham um meio de fugir." Não havia dúvida sobre qual dos dois ele era, maseu nunca tinha tido coragem de perguntar o motivo. Meu pai era escritor, e morávamos em Gatlin, Carolina do Sul, porque todos os Wate sempre moraram ali, desde que o tataravô do meu tataravô, Ellis Wate, lutou e morreu no outro lado do rio Santee durante a Guerra Civil.
Só que o pessoal daqui não a chamava de Guerra Civil. Todos com menos de 60 anos a chamavam de Guerra entre os Estados,enquanto todos com mais de 60 a chamavam de Guerra da Agressão Norte, como se de alguma forma o norte tivesse levado o sul a entrar na guerra por causa de um fardo ruim de algodão. Todos, menos minha família. Nós a chamávamos de Guerra Civil. Era apenas mais um motivo pelo qual eu mal podia esperar para ir embora daqui.
Gatlin não era como as cidadezinhas que se vê nos cinemas, a não ser que fosse umfilme sobre cinquenta anos atrás. Estávamos longe demais de Charleston para ter um Starbucks ou um McDonalds. Só tínhamos um Dar-ee Keen, já que os Gentry eram pães-duros demais para comprar novas letras quando compraram o Dairy King. A biblioteca ainda tinha os livros catalogados em cartões, a escola ainda tinha quadros-negros e nossa piscina da comunidade era o lago Moultrie, com água marrommorna e tudo. Podíamos ver um filme no Cineplex na mesma época que ele saía em DVD,
mas tínhamos que pegar uma carona até Summerville, perto da faculdade comunitária. As lojas ficavam na rua Main, as boas casas ficavam na rua River, e todas as outras pessoas moravam ao sul da autoestrada 9, onde o asfalto se desmanchava em pedaços de concreto — terrível para andar, mas perfeito para jogar em gambásfuriosos, os animais mais cruéis que existem. Nunca se viu esse tipo de coisa nos filmes. Gatlin não era um lugar complicado; Gatlin era Gatlin. Os vizinhos ficavam de guarda nas varandas no calor insuportável, sofrendo e suando à vista de todos. Mas não havia sentido. Nada mudava nunca. Amanhã seria o primeiro dia de aula, no segundo ano do ensino médio na escola Stonewall Jackson High, e eu jásabia tudo que iria acontecer: onde eu me sentaria, com quem eu falaria, as piadas, as garotas, quem estacionaria onde.
Não havia surpresas no Condado de Gatlin. Éramos nada mais nada menos do que o epicentro no meio do nada. Pelo menos é o que eu pensava quando fechei meu exemplar surrado de Matadouro Cinco, desliguei meu iPod e apaguei a luz na última noite de verão. Só que eu não podia estarmais errado. Havia uma maldição. Havia uma garota. E no final, havia um túmulo. Nunca sequer imaginei que aconteceria.
2 de setembro
Continue sonhando ,Caindo. Eu estava em queda livre, despencando no ar.
— Ethan!
Ela me chamou, e o som da sua voz fez meu coração disparar.
— Me ajude!
Ela estava caindo também. Estiquei meu braço, tentando segurá-la. Estiquei o braço, mas só encontrei...
tracking img