Roupa infantil

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 25 (6013 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Loja de roupas infantis e infanto-juvenis

Expediente
Presidente do Conselho Deliberativo Roberto Simões Diretor-Presidente Luiz Eduardo Pereira Barreto Filho Diretor Técnico Carlos Alberto dos Santos Diretor de Administração e Finanças José Claudio Silva dos Santos Gerente da Unidade de Capacitação Empresarial Mirela Malvestiti Coordenação Nídia Santana Caldas Equipe Técnica Carolina Sallesde Oliveira Autor Paulo César Borges de Sousa Projeto Gráfico Staff Art Marketing e Comunicação Ltda. http://www.staffart.com.br

Apresentação do Negócio
Aviso: Antes de conhecer este negócio, vale ressaltar que os tópicos a seguir não fazem parte de um Plano de Negócio e sim do perfil do ambiente no qual o empreendedor irá vislumbrar uma oportunidade de negócio como a descrita a seguir. Oobjetivo de todos os tópicos a seguir é desmistificar e dar uma visão geral de como um negócio se posiciona no mercado. Quais as variáveis que mais afetam este tipo de negócio? Como se comportam essas variáveis de mercado? Como levantar as informações necessárias para se tomar a iniciativa de empreender? Na antiguidade, nos primeiros anos de vida, as crianças eram vestidas com faixas que envolviamtodo o corpo. A função da faixa era aquecer o corpo e sustentar a coluna. De um a cinco anos de idade usavam túnicas simples com aberturas nas laterais que tinham função de facilitar o movimento das pernas. Segundo Regina Di Marco não existia diferença entre roupas de meninos e meninas nem variedade de cores, eram pretas, vermelhas ou marrons. No final de 1500, os costumes mudaram e foi criada umasaia longa, corpete e avental tanto para meninas quanto para meninos. “O costume de vestir os pequenos com vestidos ou saiotes, sem qualquer distinção de sexo, manteve-se até os primeiros anos de 1800.”(DI MARCO, Regina) Quando completavam cinco anos as crianças eram vestidas como adultos em miniatura. Tal qual os pais, as meninas vestiam-se com saiotes, corpetes e rendas e os meninos com calças ecamisas acompanhando a moda da época. Entretanto esta era a realidade apenas da burguesia, as demais classes sociais vestiam-se como podiam, geralmente com túnicas largas amarradas na cintura com um cordão.

Idéias de Negócios - loja-de-roupas-infantis-e-infanto-juvenis

3

Em meados de 1762, Jean Jacques Rousseau revolucionou o vestuário infantil quando propôs a adoção de modelos de roupasque dessem mais liberdade às crianças. A proposta de Rousseau obteve apoio de educadores, médicos e filósofos da época e com passar do tempo influenciou a adoção de tecidos mais leves, mais claros e a eliminação das saias armadas. Mesmo com tentativas de mudança, foi só a partir do século XX que o conceito de roupas mais adequadas às crianças, confortáveis, leves e práticas, foi definitivamentelevado a sério. Nesta “Idéia de Negócio” serão apresentadas informações importantes para o empreendedor que tem intenção de abrir uma Loja de Roupas Infantis e Infanto-Juvenis. Entretanto, este documento não substitui o Plano de Negócios, que é imprescindível para iniciar um empreendimento com alta probabilidade de sucesso. Para a elaboração do Plano de Negócio, deve ser consultado o SEBRAE maispróximo.

Mercado
Segundo a Associação Brasileira do Vestuário – ABRAVEST, as micro e pequenas empresas representam 90% do segmento de vestuário no Brasil. A produção de roupa infantil supera a de roupas masculinas em 3%. O mercado de roupas infantis cresce em média 6% ao ano. Em 2008 o setor foi responsável por 15% do faturamento total do segmento de vestuário, o equivalente a US$ 4,5 bilhões.“Pesquisa do Provar-USP (Programa de Administração em Varejo) com 396 pais de crianças na cidade de São Paulo, mostra que 98,7% compram roupas para seus filhos uma vez
4
Idéias de Negócios - loja-de-roupas-infantis-e-infanto-juvenis

por mês. Para fazer bons negócios, não é preciso ter uma etiqueta conhecida: a marca foi considerada importante por apenas 1,3% dos entrevistados.” (Folha de S....
tracking img