ROTINAS ASSISTENCIAIS DO PÓS-OPERATÓRIO DE NEUROCIRURGIA

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1242 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de novembro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
ROTINAS ASSISTENCIAIS DO PÓS-OPERATÓRIO DE NEUROCIRURGIA
I) BLOCO CIRÚRGICO
PROCEDIMENTO E / OU SITUAÇÃO
o

Avaliação neurológica pré-cirúrgica

o
o

Permeabilidade dos drenos
Avaliação neurológica após o procedimento cirúrgico

o

Monitorização da Pressão Intracraniana (PIC);

o

Prevenção de lesão de córnea;

o

Contato telefônico

o

Transporte do pacienteRESPONSABILIDADE
MED
ENF
TEC

UTIP

INTERVENÇÃO / CUIDADO / ATIVIDADE
• Aplicar Escala de Glasgow (adultos);
• Aplicar Escala de Glasgow Modificada (crianças);
• Avaliar as pupilas;
• Aplicar Escala de Força.
Avaliar a permeabilidade dos drenos
• Aplicar Escala de Glasgow;
• Aplicar Escala de Glasgow Modificada (crianças);
• Avaliar as pupilas;
• Aplicar Escala de Força;
• Em pacientessob efeito anestésico aplicar Escala de RASS ou
escala pediátrica.
• Implementar cuidados com Monitorização da Pressão
Intracraniana (PIC), conforme POP.
• Realizar cuidados com prevenção de lesão de córnea
• Realizar higiene ocular;
• Aplicar pomada oftálmica conforme prescrição médica.
• Realizar contato telefônico com o(a) enfermeiro(a) da SR , CTI
ou UTIP, passando informações sobre:
•Avaliação neurológica prévia ao procedimento cirúrgico;
• Histórico de cirurgias;
• Alergias medicamentosas;
• Condições dos cateteres e drenos;
• Outras informações relevantes;
• Solicitar cama, suporte de soro, oxímetro de pulso e ambú
para o transporte do paciente.
• Transportar o paciente
• Manter os drenos fechados (DVE, Porto Vac ou lombostomia)
durante o transporte.

I)ADMISSÃO NA UNIDADE DE RECUPERAÇÃO PÓS-ANESTÉSICA, CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ou UNIDADE DE
TERAPIA INTENSIVA PEDIÁTRICA.
RESPONSÁBILIDADE
PROCEDIMENTO E / OU SITUAÇÃO

INTERVENÇÃO /CUIDADO / ATIVIDADE
MED

o

Avaliação neurológica

o

ENF

TEC

Oxigenioterapia







Aplicar Escala de Glasgow;
Aplicar Escala de Glasgow Modificada (crianças);
Avaliar as pupilas;Aplicar Escala de Força;
Em pacientes sob efeito anestésico aplicar Escala de
RASS ou escala pediátrica.



Realizar cuidados com oxigenioterapia conforme
prescrito.
Implementar cuidados com a oxigenioterapia – por
ventilação mecânica;
Implementar cuidados com a oxigenioterapia - por
Ayre;
Implementar cuidados com a oxigenioterapia - por
máscara de venturi;
Implementar cuidados com aoxigenioterapia – por
cateter nasal;
Implementar cuidados com a oxigenioterapia - por
óculos nasal;
Verificar oximetria.







o

Monitorização cardíaca e pressão arterial média (PAM);




Realizar cuidados com monitorização cardíaca e
pressão arterial média (PAM);
Manter parâmetros de PAM conforme prescrito pela
equipe neurocirúrgica ou pelo médico intensivista.

oInstalação e manutenção do sistema de monitorização da pressão
intracraniana.



o

Sistema de ventriculostomia.











o

Paciente sem flap ósseo:

o

Drenos e sondas.

o

Porto Vac









Implementar cuidados na instalação e manutenção do
sistema de monitorização da pressão intracraniana,
conforme POP.
Implementar cuidados nosistema de ventriculostomia:
A altura da DVE deverá estar a 15 cm³ H2O ou
conforme prescrição médica;
Esvaziar a bolsa coletora da DVE quando atingir 2/3 do
volume total usando técnica asséptica (pacote de
sondagem vesical, luvas estéreis, máscara facial, óculos
de proteção e álcool 70% para anti-sepsia). Na UTIP
utilizar também uma seringa de 20ml e agulha.
Verificar valores de PIC com DVEfechada;
Zerar o sistema de monitorização de PIC com cabeceira
a 30° a cada mudança de decúbito;
Fechar a DVE se a cabeceira do paciente estiver abaixo
de 30° para posicionamento no leito. Após o
procedimento manter DVE conforme prescrição
médica.
Comunicar imediatamente à enfermeira ou ao médico
extravasamento de sangue pelo sistema de DVE.
Rotular o curativo com a informação “Sem flap...
tracking img