Revolução e transformação social

REVOLUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO SOCIAL


No capítulo anterior, estudamos as teorias que procuraram explicar as mudanças sociais. Neste, vamos tentar entender o processo que foi chamado de revolução e que significou uma mudança profunda nas sociedades em que aconteceu.
Revolução é a transformação radical das estruturas sociais, políticas e econômicas de uma sociedade. Outros tipos de alteraçãopodem ser chamados de reformas sociais ou apenas de mudanças parciais. De acordo com o pensador italiano Umberto Melotti, tanto o reformador quanto o revolucionário almejam mudanças sociais, mas não as mesmas. As mudanças propostas pelos reformadores não se contrapõem aos interesses das classes dominantes, podendo até ser utilizadas para consolidar sua permanência no poder. Já uma revolução se opõesempre aos interesses das classes dominantes, pois tem por objetivo eliminar a sua hegemonia. Assim, as reformas são realizadas por quem está no poder, enquanto a revolução se processa contra esse poder. Melotti destaca que a reforma procura alterar elementos não essenciais, reparando determinados problemas para garantir a manutenção da situação vigente, enquanto a revolução é um ato deemancipação social, que objetiva destruir o existente para reconstruir a sociedade em novas bases. A história das sociedades é marcada por uma série ininterrupta de reformas e revoluções, mas são estas últimas que assinalam momentos autênticos de busca de uma emancipação efetiva.
Para entender o desenvolvimento e o significado das revoluções, vamos analisar sociologicamente algumas delas.


Sobre arevolução
Podemos utilizar o termo revolução para nos referir aos grandes processos que alteraram substancialmente a vida da humanidade. São bons exemplos desses processos a revolução agrícola, que transformou radicalmente a forma de abastecimento das populações humanas, e a revolução industrial, que mudou a forma de produção.
Hoje, estamos participando da terceira grande revolução mundial,baseada na informática, na engenharia genética e na nanotecnologia, pesquisa e produção no nível do átomo, que estão alterando profundamente a maneira de produzir e de viver.
Utilizamos também o termo revolução para designar os processos de mudança de rumo político em uma sociedade ou em várias delas. Nesse ponto há que diferenciar as revoluções que ocorreram no século XVIII e podem ser chamadasde burguesas, porque foram movimentos liderados pela burguesia ascendente, e as que eclodiram no século XX, consideradas populares, porque tiveram uma participação significativa do povo.
O termo na história
A palavra "revolução" originou-se provavelmente da astronomia a partir da teoria de Copérnico: No seu uso científico o termo reteve o seu significado original latino, designando o movimentorotativo, regular e inexorável dos astros.
[u.] No século dezessete encontramos pela primeira vez a utilização política da palavra, mas o conteúdo metafórico ainda estava ligado ao sentido original, o movimento de retornar a um ponto preestabelecido. A palavra foi primeiramente usada na Inglaterra não para designar a assunção de Cromwell ao poder (a primeira ditadura revolucionária), mas aocontrário, depois da queda do déspota por ocasião da restauração da monarquia.
Podemos precisar o exato instante em que a palavra "revolução" foi utilizada no sentido de mudança irresistível e não mais como um movimento recorrente. Foi durante a noite de 14 de julho de 1789 em Paris, quando Luís XVI ouviu de um emissário que a Bastilha havia caído. "É uma revolta", disse o rei. Ao que o mensageiroretrucou: "Não, majestade, é uma revolução".
Nas décadas seguintes conformou-se um quadro de que as revoluções não são feitas de homens isolados, mas resultado de um processo incontrolável do qual os homens são parte. E foi somente na metade do século dezenove que Proudhon cunhou a expressão "revolução permanente" e com ela trouxe o conceito de que não existem revoluções, mas uma só, total...
tracking img