Resumos historia de arte

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 34 (8499 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de janeiro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
SUBJECTIVIDADE, IMPRESSÃO E EXPRESSÃO
O classicismo renascentista desmembrou-se em dois movimentos diferentes:
MANEIRISMO E BARROCO
MANEIRISMO (SÉC. XVI)
Movimento de reacção e negação de alguns referenciais clássicos.
Caracterizou-se pela deliberada sofisticação intelectualista, pela valorização da
originalidade e das interpretações individuais, pelo dinamismo e complexidade
de suasformas, e pelo artificialismo no tratamento dos seus temas, a fim de se
conseguir maior emoção, elegância, poder ou tensão. Emprega a distorção da luz
e dos espaços da obra a fim de enfatizar seu conteúdo emocional.
O maneirismo é um movimento de elites, pois as obras de arte são pensadas e
produzidas para o consumo e desfruto particular dos mais cultos e abastados,
atraídos pelo coleccionismoemergente é também um movimento artístico
academista.
BARROCO (SÉC. XVII)
A arte barroca levou o representacionismo da renascença para novos patamares,
enfatizando detalhes e movimento na sua busca pela beleza
O barroco também surgiu no fim do século XVI, mas a sua vida foi bem mais longa
do que a do maneirismo, uma vez que se manteve até ao século XVIII (se
incluirmos o rocaille ou rococó)esta arte exprimiu-se através da exaltação do
movimento, da materialização da emoção e do êxtase, da monumentalidade
cenográfica, do exagero ornamental propositado e do jogo de contrastes
intensos
WÖLFFLIN ABORDA A EVOLUÇÃO DO ESTILO E DO MODO DE VER A PARTIR DE CINCO
PARES DE CONCEITOS QUE ESTRUTURAM AS ALTERAÇÕES QUE MARCAM A TRANSIÇÃO
DO SÉCULO XVI PARA O SÉCULO XVII
(TRANSIÇÃO DA ARTECLÁSSICA PARA ARTE BARROCA)






Linear
Plano
Forma Fechada
Pluralidade
Clareza absoluta







Pictórico
Profundidade
Forma aberta
Unidade
Clareza relativa

PICTÓRICO
Desvalorização gradual da linha, apreensão do mundo como uma imagem
oscilante, domínio do contraste entre luz e sombra, procura o movimento,
contornos não acentuados que unem fundo e figura numtodo significante.
PICTÓRICO / COR
A aparência oscila nos mais variados tons a cor paira como um brilho, uma luz
oscilante que favorece a sensação de movimento inconstante liberta-se do
objecto .

TRANSIÇÃO NA ESCULTURA
LINEAR

PICTÓRICO

A escultura, enquanto arte de massas corpóreas, desconhece a linha, mas podemos ainda
assim falar de escultura linear e escultura pictórica



••


Tem por objectivo os limites
A forma expressa-se dentro de um
motivo linear definido
Vista principal define o sentido total
da escultura
Valores tangíveis, determinados
Luzes e sombras são subornados à
forma plástica
Figuras isoladas








Nega o contorno
A figura evita consolidar-se dentro de
uma estrutura definida
Nenhum ângulo de visão revela a
forma nasua totalidade
Tudo é transição e mudança
As luzes têm vida autónoma, brincam
sobre as superfícies
Figuras num conjunto

PROFUNDIDADE
A arte barroca abandona a construção por planos, enfatizando a profundidade
os olhos passam a relacionar os objectos conforme eles sejam anteriores ou
posteriores, conduz o observador ao fundo do quadro, fugindo a linhas
perfeitamente ordenadas mesmo que emsequência, as formas mais comuns para
produzir a ilusão de profundidade estão sempre associada à noção de movimento.
Também o trabalho com a cor e a luz, ao produzir fortes contrastes, impõe a
profundidade como experiência imediata.
O modo como o barroco conduz a luz, distribui a cor e desenha perspectivas são
sempre recursos ao serviço da representação da profundidade.
PROFUNDIDADE NAESCULTURA – SÉCULO XVII
Desprendimento consciente da rigidez planimétrica (os corpos começam a moverse, as silhuetas desfazen-se) privilegia uma visão de escorço ou semi-escorço,
obtendo relações significativas entre primeiro e segundo planos (orientação
especial que torna a profundidade perceptível)
Evita a impressão de uma vista frontal rígida, oferecendo uma multiplicidade
de ângulos de...
tracking img