Resumo a história da riqueza do homem

Resumo: A História da Riqueza do Homem |
Parte 1: Do Feudalismo ao Capitalismo |
|


1 .Sacerdotes, Guerreiros e Trabalhadores

O capitulo 1 explica a sociedade feudal e sua lógica. Os processos de interdependência entre as classes existentes e suas relações.
Além de pregadores e lutadores existia na Idade Média, outro grupo: os trabalhadores. A sociedade feudal consistia dessas trêsclasses – sacerdotes, guerreiros e trabalhadores. O homem que trabalhava produzia para ambas as outras classes, eclesiástica e militar.
O trabalho era na terra, cultivando ou guardando o rebanho. Era o trabalho agrícola, mas tão diferente de hoje que dificilmente o reconheceríamos.
As terras agrícolas estavam divididas em ‘feudos’. Um feudo consistia apenas de uma aldeia e as várias centenas deacres de terra arável que a circundavam, e nas quais o povo da aldeia trabalhava. Nas diversas localidades, os feudos variavam de tamanho, organização e relações entre o que os habitavam, mas suas características principais se assemelhavam, de certa forma.
Cada propriedade feudal tinha um senhor. Este vivia em moradias fortificadas com sua família, empregados e funcionários que administravam suapropriedade. Pastos, prados, bosques e ermos eram usados em comum, mas a terra arável se dividia em duas partes. A terça parte do todo pertencia ao senhor feudal e era chamada seus ‘domínios’; a outra ficava em poder dos arrendatários que, então trabalhavam a terra. A terra era cultivada não em campos contínuos, mas pelo sistema de faixas espalhadas.
Os arrendatários trabalhavam não só asterras que arrendavam, mas também a propriedade do senhor, dois ou três dias da semana tinham que trabalhar a terra do senhor, sem pagamento. Esta era prioridade e tinha que ser arada primeiro, semeada primeiro e ceifada primeiro. As necessidades do camponês eram deixadas de lado perante as solicitações do senhor feudal.
O camponês desejava que seu trigo fosse moído ou suas uvas esmagadas na prensa delagar? Poderia fazê-lo – mas tratava-se do moinho ou prensa do senhor e exigia-se pagamento para sua utilização. Eram quase ilimitadas as imposições do senhor feudal ao camponês.
O camponês era, então, era um escravo? Na verdade, chamava-se de “servos” a maioria dos arrendatários, o servo, ao contrário do escravo, não podia ser vendido fora de sua terra. Seu senhor poderia transferir a posse dofeudo a outro, mas isso significava apenas que o servo teria novo senhor; ele próprio porém, permanecia em seu pedaço de terra. Esta era uma diferença fundamental, pois concedia ao servo uma espécie de segurança que o escravo nunca teve. Por pior que fosse o seu tratamento, o servo possuía família e lar e a utilização de alguma terra.
Havia vários graus de servidão. Havia os ‘servos dosdomínios’, que viviam permanentemente ligados à casa do senhor e trabalhavam em seus campos durante todo o tempo, não apenas por dois ou três dias na semana. Havia camponeses muito pobres, chamados ‘fronteiriços’, que mantinham pequenos arrendamentos de um hectare, mais ou menos, à orla da aldeia, e os “aldeães”, que nem mesmo possuíam um pequeno arrendamento, mas apenas uma cabana, e deviam trabalhar para osenhor como braços contratados, em troca de comida.
Havia os ‘vilãos’ que, ao que parece, eram servos com maiores privilégios pessoais e econômicos. Gozavam de maiores privilégios e menores deveres para com o senhor. Os deverem que realmente assumiam eram mais precisos que os dos servos. Isso constituía grande vantagem, porque então os vilãos sabiam qual a sua exata situação. O senhor não podiafazer-lhes novas exigências, a seu bel-prazer.
Nenhuma descrição do sistema feudal pode ser rigorosamente precisa, porque as condições variavam muito de lugar para lugar. Não obstante, há certeza sobre alguns pontos fundamentais em relação a praticamente todo trabalhos escravo do período feudal.
Os camponeses eram mais ou mesmo dependentes. Acreditavam os senhores que existiam para...
tracking img