Resumo - schwartz - segredos internos

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1455 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Segredos Internos
Engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550-1835 (Stuart Shwartz)
UM NEGÓCIO NOBRE: LUCROS E CUSTOS
Dois aspectos importantes para compreender a natureza do engenho:
1. ´´presença de uma grande números de indivíduos que plantavam a cana mas moíam-na num engenho próximo.´´ (eram os lavradores de cana)
2. Escassez da moeda circulante na economia

CAPITAL E CRÉDITOPor que ´´o acesso ao crédito era mais importante do que o dinheiro em caixa?´´

De onde vinham o capital e o crédito aplicados na atividade açucareira?

VALOR DAS PROPRIEDADES


CUSTOS E RETORNOS
Já examinados:
-crédito e capital: fontes e características
-distribuição relativa dos ativos

Custos e lucros: ´´acirrado debate bastante esclarecedor´´
-perspectivas diferentes:contadores, economistas e senhores de engenho
Senhores de engenho:
´´Acreditava que o valor de um ativo era seu preço de mercado corrente´´ (o que se obteria com sua venda)
Contador:
´´custo original desse ativo, descontada a depreciação´´
Economista:
Preço corrente – diferente do preço real, além disso adicionaria cálculos de produtividade
Historiadores: ´´ausência de informaçãopara se efetuar cálculos de lucratividade´´
´´Os riscos e as incertezas faziam parte da atv açucareira, e a contabilidade de custos não era um trabalho fácil´´

´´Maioria dos proprietários brasileiros contentava-se com os cálculos e registros mais simples dos lucros e perdas, baseadas em receitas e despesas monetárias.´´ basicamente, a diferença da receita (quanto vendiam) com os desembolsosefetuados.
´´..alterações no valor do estoque do capital´´ geralmente não eram contabilizados.
Outros problemas: documentação escassa, clima, insetos. Apenas 2 ´´estimativas globais de lucros e despesas´´: Engenho Sergipe (1635) e em 1751 feita por um grupo de senhores de engenhos descontentes. Além disso, ´´os únicos registros contábeis consistentes que nos restam são os dos engenhos dosjesuítas e dos beneditinos´´, que não eram propriedades típicas, devendo ser descontadas contribuições beneficentes, p. ex..

´´Para simplificar a análise, as despesas anuais forma divididas em algumas categorias abrangentes.´´
´´Os custos de mão-de-obra foram item crucial nas despesas´´:
a) 2 tipos de salários:
´´soldadas´´ - salário anuais (que as vezes incluía alojamento e alimentação)´´salários´´ - pagamento de det. Quantia (por dia ou por tarefa)
b) Reposição e gastos com as necessidades de trabalho escravo

Outras categorias importantes: combustível, transporte, materiais e os desembolsos para aquisição de escravos, animais e equipamentos.

´´O custo da cana-de-açucar quase nunca era calculada pelos senhores de engenho.´´. porém, eram ´´capazes de estimar o custo doplantio e colheita de uma tarefa de cana.´´

´´Cada engenho era, por definição, distinto, com suas próprias vantagens e desvantagens peculiares que influenciavam as operações. ´´ e também influenciavam no seu desempenho produtivo, p.ex. alguns engenhos possuíam rebanhos, florestas para lenha, alguns se situavam perto de rios e outros não possuíam essas características (ou vantagens, no caso).Essas foram as limitações.

Agora a análise dos registros:
Engenho Sergipe: 1635 ´´estimou o valor dessa propriedade em 46,8 contos de réis, sendo a terra avaliada em 24,8 contos e as construções, escravos e animais, 22 contos.´´
Produção anual: 10 e 12 mil arrobas (das quais 7 mil pertenciam ao engenho)
Valor do açúcar: 3,8 a 4,8 contos de réis
Adicionalmente: pagamentos dearrendamentos
Estimativas de custos: 3,4 contos de réis anuais
Rebanhos próprios: custo baixo com animais
´´Tomados em conjunto, os nove anos de safra indicam o padrão de um desembolso de um grande engenho do Recôncavo no início do séc. XVIII.
Custos relativos de mão-de-obra (salários, alimentos, remédios, escravos) – mais de 50% do desembolso anual
Gastos com equipamentos – 8% do total...
tracking img