Resumo-mentes perigosas- ana beatriz

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2720 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 24 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Introdução
Este trabalho é com base no livro mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa da Silva, este livro contém relatos verídicos e características semelhantes a de um ser humano psicopata.
O Psicopata não possui consciência genuína, muito menos sentimentos, por este fato que cometem atos brutos e calculistas; são seres mentirosos e inteligentes.
Pode-se notar em seres humanos psicopatas aagressividade logo na infância. Porém não existe apenas psicopata que apresente alto nível de periculosidade, existem psicopatas que nunca mataram e certamente nunca mataram, porém segunda a autora isso não os faz inofensivos.
Capítulo 1
Razão e sensibilidade: um sentido chamado consciência
A autora inicia o livro relatando uma palestra que assistiu na sua vida acadêmica. Nessa palestra oprofessor aborda a seguinte pergunta: O que é consciência?
Através duma ilustração no quadro(que remetia-se a um desenho de duas setas, uma apontando ao norte escrito “estar” e outra ao leste levando a palavra “ser”.), feita por ele, explica:

É através desta explicação que se pode evidenciar o estado ou o nível de consciência do paciente, na qual encontrasse as seguintes palavras: lúcido, vigil,hipovigil, hipervigil, confuso, coma profundo e etc. Estas palavras evidenciam o nível de percepção que possuímos em relação ao mundo.
A segunda parte era, portanto mais complexa, agora consiste no “Ser” de cada ser humano, na pessoa que se é verdadeiramente.

Após o término da aula, Ana Beatriz realiza uma leitura racional com relação à pergunta feita pelo professor, ao iniciar o seu discurso,e entra em uma conclusão “ser consciente é ser capaz de amar” consciência é um atributo que transita entre a razão e a sensibilidade.
Para melhor compreensão do leitor enfatiza alguns exemplos e até uma situação verídica que podem evidenciar claramente a presença da consciência no ser humano. Ana Beatriz aprofunda-se no tema, alegando assim, que ter consciência ou ser consciente é possuir o maissofisticado e evoluído de todos os sentidos da vida: o “sexto-sentido”.

A consciência Genuína nos proporciona a generosidade, o amor ao próximo ,nos proporciona injuriarmos com uma situação injusta, com um ato preconceituoso, enfim, consciência é basicamente, o fazer o “certo”, mesmo que isso possa a vir a te prejudicar. Apenas a consciência genuína pode mudar o mundo pra melhor.Capítulo 2
Os psicopatas: frios e sem consciência
Os psicopatas não possuem a consciência, não possuem remorso, dessa forma, gozam de um raciocínio frio, calculista e maquiavélico já que não tem emoções. Seu único objetivo é se beneficiar custe o que custar, doa a quem doer. Porém existem psicopatas que nunca mataram e certamente nunca matarão, mas isso não os torna inofensivos, são verdadeirosvampiros sanguinários prontos para nos seduzir, magoar e limpar nossas contas bancária.
Existe um grande debate entre muitos dos autores, clínicos e pesquisadores que acaba levando a divisão do campo da psicopatia:
Sociopatia: transtornos da personalidade Anti-social.
Psicopatia: transtorno da personalidade Dissocial.
Segundo o psiquiatra canadense Robert Hare, os psicopatas têm total ciênciados seus atos. A deficiência deles está no campo das emoções.
A autora acredita que a Arte imita a vida, desde o surgimento do cinema presenciamos a psicopatia nos mais diversos filmes.
A autora finaliza esse capítulo relatando uma história, que aconteceu na vida de Andréia, onde um psicopata atravessou sua vida e deixou estragos emocionais e financeiros.

Capítulo 3
Pessoas no mínimosuspeitas

A maioria dos psicopatas, se não todos, são pouco suspeitos, uma vez que mentem perfeitamente bem e atuam na vida real de forma magnifica, a arte de enganar e manipular eles dominam muitíssimo bem, tornando-se assim, pessoas “aparentemente” normais.
Ana Beatriz abre esse capítulo contando a história de Maria. Maria não teve perdas financeiras muito grandes, porém, teve que conviver...
tracking img