Resumo Maquiavel, Hobbes, Locke, Montesquieu e Rousseau

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1917 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de junho de 2015
Ler documento completo
Amostra do texto
Maquiavel

Ora apresentado como mestre da maldade, ora como o conselheiro que alerta os dominados contra a tirania, quem era este homem capaz de provocar tanto ódio, mas também tanto amor?
Maquiavel nasceu na Itália em um período no qual a desordem e a instabilidade estavam incontroláveis. Na sua infância e adolescência a maior parte dos governantes não conseguia se manter no poder por umperíodo superior a dois meses.
Na vida adulta ocupou um cargo diplomático, tendo sido demitido quando os Médicis recuperaram o poder. Um ano depois da sua demissão, foi condenado a prisão por conspirar contra o governo dos Médicis. Com a ajuda de um amigo, conseguiu sair da prisão, mas ficou impedido de exercer sua profissão. Durante esse período de retiro forçado nasceram as suas obras.
Para conseguirfavores dos Médicis, Maquiavel dedica-lhes “O príncipe”. Porém, os governantes foram pouco sensíveis aos seus apelos, considerando-o como um republicano.
Sua preocupação é falar sobre o Estado, não um Estado ideal, mas sim, o Estado real, capaz de impor a ordem. Ele rejeita a tradição idealista dos pensadores clássicos.
O problema central de sua análise política é descobrir como pode ser resolvidoo inevitável ciclo de estabilidade e caos. A ordem deve ser construída pelo homens, estando ela sob a eterna ameaça de ser desfeita. Este ciclo se repete pela impossibilidade de extinguir as paixões e os instintos humanos.
Os atributos negativos da natureza humana levam ao conflito e a anarquia. Pelo estudo do passado deve-se extrair as causas e os meios utilizados para enfrentar o caos.
O poderpolítico nasce dos males da natureza humana, mas é o único capaz de enfrentar o conflito, mesmo não havendo garantias de sua permanência. Um dos principais fatores de instabilidade é a presença de duas forças opostas na sociedade: o não desejar do povo em ser dominado e oprimido pelos grandes; e a vontade dos grandes em dominar e oprimir o povo. Deste modo, o problema político é encontrarmecanismos que imponham a estabilidade dessas relações.
Quando a nação está ameaçada de deterioração é necessário um governo forte(Princiapado). Por outro lado, quando a sociedade já encontrou formas de equilíbrio, o poder político cumpriu sua função, estando-a preparada para a república.
Na Itália de sua época, Maquiavel, não tinha dúvidas da necessidade de unificação e regeneração. Para tanto, seriaimprescindível um homem virtuoso capaz de fundar um Estado.
O poder se funda na força, mas é necessário virtú para se manter nele. A força explica o fundamento do poder, porém, a posse de virtú é a chave por excelência do sucesso do príncipe.
Para Maquiavel, os governantes não são predestinados a governar, de modo que para ter o cargo é necessário o equilíbrio de duas características, a virtú ea fortuna. Virtú é a capacidade estratégica de transformar a realidade a seu favor e fortuna são as circunstâncias a favor do governantes, é a sorte individual.
Os meios para o triunfo das dificuldade e para a manutenção do poder nunca deixarão de ser julgados honrosos e todos os aplaudirão.


Hobbes

Hobbes, Locke e Rousseau são contratualistas, ou seja, afirmam que a origem do Estado está em umcontrato. Os homens viviam naturalmente, sem poder e sem organização, até o momento que firmam um contrato, estabelecendo as regras de convívio social e de subordinação política.
Segundo Hobbes, na natureza do homem existem três causas principais de discórdia: a competição, a desconfiança e a glória. Todas elas levam o homem a atacar os outros, sendo que na competição o objetivo é o lucro, nadesconfiança, a segurança e na glória, a reputação.
Para Hobbes durante o tempo em que o os homens vivem sem um poder comum capaz de manter o respeito entre todos, o que ocorre é uma condição de guerra de todos contra todos. A natureza dessa guerra não consiste na luta real, mas sim na pré-disposição para tal.
O direito de natureza é a liberdade que cada homem possui de usar seu próprio poder para...
tracking img