Resumo livro maquiavel

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2881 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Resumo livro de Maquiavel

Pág. 45. “Aqueles que desejam conquistar a graça de um príncipe costumam obsequia-lo o mais das vezes com o que possuem de mais valioso ou que possa deleitá-lo de modo especial; por isso os príncipes são frequentemente presenteados com cavalos, armas tecidos de ouro, pedras preciosas e ornamentos desse gênero, todos dignos de sua grandeza. Desejando por meu turnooferecer-me a vossa Magnificiênci com um testemunho da servidão que lhe devoto, não encontrei entre os bens que me são mais caros, ou tanto estime, senão o entendimento por mim das ações dos grandes homens, aprendido por mim numa longa experiência das vicissitudes modernas e no estudo continuo das antigas: as quais, tendo eu com grande diligência examinando e cogitando demoradamente, agora eu ascondenso neste breve volume, que envio a vossa Magnificência.”

Pág. 46. “... assim como os desenhistas de paisagem se põem num nível baixo a fim de discernir a natureza dos montes e dos lugares altos, e no topo dos montes para observar as zonas baixas, do mesmo modo, para bem conhecer a natureza dos povos, é preciso ser príncipe, e , para conhecer bem a dos príncipes, é necessário pertencer aopovo.”

I Dos principados

“Todos os Estados, todos os domínios que tiveram e têm poder sobre os homens e são republicas ou principados. E os principados são: ou hereditários, nos quais o sangue de seu senhor tenha reinado por longo tempo, ou novos.”

II Dos principados hereditários

Pág. 48. “Digo, pois, que nos Estados Herdados e sujeitos ao sangue de seus príncipes as dificuldades semmantê-los são bem menores que nos Estados novos, porque bsta não preterir a ordem sucessória da estirpe e contemporizar com os imprevistos, de modo, que se tal príncipe for dotado de um engenho mediano, sempre se manterá no poder, a menos que uma força desmedida e excessiva o prive dele; e , uma vez privado de seu Estado, ao primeiro revés sofrido pelo usurpador, logo o reconquistará.”

III Dosprincipados mistos

Pág. 49. “Mas é no principado novo que consistem as dificuldade.
...entre os Estados mistos, suas modificações derivam sobretudo de uma dificuldade natural, inerente a todos os principados novos, quais sejam: os homens mudam de bom grado de senhor, acreditando que assim melhorarão de estado, e tal crença os faz pegar em armas contra aquele; mas nisso se enganam, pois mais tardeconstatam por experiência que sua situação piorou.”

Pag55. “O desejo de conquista é algo realmente muito natural e comum, e aqueles que tem êxito na empreitada serão sempre louvados, ou pelo menos não criticados; porém, quando não têm força para tanto e querem realiza-lo a qualquer custo, aí reside o erro, daí decorre a critica.”

IV Por que o reino de Dario, ocupado por Alexandre, não serebelou contra seus sucessores após a morte deste.

Pag. 57 “Os Estados que são governados por um único príncipe e seus súditos concentram maior autoridade na figura do príncipe, porque em seus territórios não a homem que seja considerado superior a ele; e, se acaso obedecem a algum outro, o fazem por este ser delegado ou oficial daquele, devotando uma especial veneração ao soberano.”

Pág. 58 “...estando todos sujeitos e submetidos ao rei, os súditos são mais difíceis de ser corrompidos e , ainda que o fossem, seriam de pouca utilidade, pois não seriam capazes de mobilizar a população pelos motivos indicados. Portanto, quem quiser atacar a Turquia deve saber de antemão que enfrentará um país todo unido, devendo contar mais com as próprias forças e menos com a desorganização alheia.”

VDe que modo se podem administrar cidades ou principados que, antes de conquistados, tinham suas próprias leis.

Pág. 60 “Quando, conquistados conforme se disse, tais Estados estão afeitos a viver sob suas próprias leis e em liberdade, há que se respeitar três regras caso se queira mantê-los: a primeira, arruiná-los; a segunda, ir habitá-los pessoalmente; a terceira, deixa-los viver sob suas...
tracking img