Resumo dos primeiros 4 capitulos do livro "aprender antropologia" de françois laplantine

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1562 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Resumo do 1º Capitulo
Séc 14
ideologias concorrentes:

Las Casas: Muito parecido com o mito do Bom Selvagem, no qual o indígena seria puro, podendo ter até uma sociedade, politica, dentre outros, melhor que a sociedade europeia, que é suja; pervertida.

Sepulveda: Aqui, já trata o indígena como um ser ignorante, que por não ter o mesmo conhecimento que a sociedade europeia tinha, ou ter amesma religião, tinha a obrigação de ser escravo(pois na visão dele são preguiçosos, algo que não é verdade), e passível de punição, caso não quisesse se tornar escravo.

A Figura do Mau Selvagem e do Bom Civilizado:
Como Sepulveda, vários antropólogos da época viam os indígenas como seres inferiores, por diversos motivos. Ou por não ter uma “cultura” obviamente inteligente quanto a europeia,ou por seus costumes, na opinião, ou melhor, na visão europeia, horrendos, que são denotados, de maneira negativa, como superstição.
Por essas ações, são taxados como monstros, ou pior, deveriam ser extintos da terra.
Diria, na minha opinião, que a antropologia, nessa época, era visivelmente infante. Era muito partidária, e era perceptível o tamanho choque de culturas nos textos, que acabavase transformando em preconceito e a tentativa de inferiorizar outras culturas. Isso pode se perceber facilmente no texto de Hegel, que além de já inferiorizar os negros na Africa, pelos seus costumes, e sua suposta falta de respeito com seus iguais, usa a cor dos negros como algo ruim.

A Figura do Bom Selvagem e do Mau Civilizado:
Nesse caso, já é perceptível uma visão mais próxima darealidade, não rebaixando uma cultura diferente. Para esse pensamento, o indígena poderia ser, na verdade, um ser puro, próximo da pureza dos animais, que não se preocupam com dinheiro, vivendo só por viver, numa sociedade, a qual foi muito descrita por antropólogos e viajantes como o “paraíso”.
Apesar dessa forma mais positiva de enxergar o outro, os europeus não viam os indígenas pelo que eles eram,mas sim como objetivos ou exemplos a serem seguidos por eles. “Mal se olha pra ele. Olha-se a si mesmo nele”.
Léry conclui, de maneira mais equilibrada, e, por assim dizer, sem preconceito, de que a selvageria(tanto a do indígena quanto a do homem europeu) não são nem superiores ou inferiores, e sim diferentes.

Resumo do 2º capitulo
O Século 18: A invenção do conceito de homem
Aqui, houveuma certa mudança na percepção antropológica, que antes, era baseada muito na opinião crua, e não estudada; revisada devidamente pelo antropólogo:”O indígena é preguiçoso, selvagem... ”.
É sugerido, então que não se deve simplesmente observar e comentar sobre sobre tal tribo, mas sim, se questionar do porque que dela agir daquela maneira, ou o porque da sua cultura ser do jeito que era. Nesseponto, existe uma certa discussão de como deveria ser feito esse estudo, pois para alguns, como no caso, Bougainville, acha que o antropólogo deveria ele mesmo visitar e interagir com o objeto de estudo, para então formular sua pesquisa, enquanto outros, como Rousseau, achavam que pessoas separadas deveriam interagir o objeto e estudo e a formulação do estudo.
Dessa forma, a antropologia setransforma mais(não completamente) numa ciência exata, ao introduzir a dualidade do sujeito observante e o objeto(no caso, o indígena) observado.
No “Século das Luzes”, o objeto de observação não é o homem, e sim indivíduos que pertencem a uma época e uma cultura, e o sujeito que observa não é de forma alguma O sujeito da antropologia filosófica, e sim um outro indivíduo que pertence ele próprio a umaépoca e uma cultura.

Resumo do 3 capitulo
O tempo dos pioneiros: Os pesquisadores-eruditos do século 19
Neste capitulo, Laplantine descreve o Evolucionismo, movimento no qual a antropologia passou, em que a visão arcaica de que os povos extraeuropeus seriam inferiores, foi mudada. Para o evolucionismo, os povos na verdade seriam fases pela qual todos os humanos, no caminho da evolução,...
tracking img