Resumo do livro "o homem delinquente"

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2299 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Resumo – O Homem Delinqüente

Cesare Lombroso, renomado médico e diretor de um manicômio, foi um dos pioneiros na catalogação dos delitos e delinqüentes com base na medicina legal e psicologia. Sua obra “O homem delinqüente”, publicada em 1876, foi considerada revolucionária na área de direito penal, psicologia e medicina legal. Atualmente muitas das teorias de Lombroso estão comprovadamenteultrapassadas, no entanto, não se pode desconsiderar sua obra, visto que caracterizou, em sua época, um grande avanço na busca das causas que levam o homem a delinqüir, além de lançar as bases da Criminologia e da Antropologia Criminal.

1 - Lombroso inicia a sua obra identificando o caráter natural do delito, utilizando-se de exemplos encontrados entre animais e plantas. As plantas insetívoras,por exemplo, são citadas por ele, elas capturam e matam insetos para sua nutrição. Entre os animais os exemplos são bem mais abundantes. Lombroso cita ainda no primeiro capítulo a morte por procura de alimento, absolutamente natural, acrescenta também que os assassinatos não acontecem apenas inter espécies, mas intra-espécies, como é o caso das macacas que avaliam a resistência física de um novointegrante no bando, a fim de saber se devem respeitá-la ou maltratá-la impunemente. A morte pelo uso das fêmeas, motivo que leva a brigas intermináveis entre os machos de um bando, ou por defesa como acontecem nas colméias que matam uma abelha intrusa, morte por cobiça como nas formigas que invadem formigueiros alheios para roubar os afídios das outras e fazê-las de escravas, etc.

2 - Já nosegundo capítulo, Lombroso faz a abordagem do homem delinqüente, discorrendo sobre umas das principais características desse homem, algo que o marca e o rotula perante a sociedade, a tatuagem. Em suas pesquisas, bem como em outras pesquisas utilizadas como fonte, Lombroso observou a constância da tatuagem nos delinqüentes, e estudou os motivos desse costume. Entre as principais causas estão: aimitação, muitos delinqüentes se tatuam apenas por que outros também o fizeram; ociosidade, pois, nas prisões, há muito pouca coisa a se fazer; espírito de vingança, pois a freqüência de frases que fazem alusão a esse sentimento é enorme; vaidade já que, por ser um procedimento doloroso, é necessária muita força e coragem; paixão ilustrada
pela imagem ou nome da mulher amada, etc. Outras característicasdas tatuagens do delinqüentes são a multiplicidade, pois raramente os delinqüentes possuem menos de uma tatuagem; a precocidade com que são tatuados e a obscenidade das ilustrações, bem como dos locais onde são feitas. Esta última característica revela-nos um traço importante do homem delinqüente, a insensibilidade a dor.

3 - No terceiro capítulo Lombroso trata da sensibilidade geral dodelinqüente, abordando inicialmente sua (in) sensibilidade à dor, comprovando casos de verdadeira analgesia, na maioria dos casos, em delinqüentes alienados ou quase. Com relação à visão, foi constatado que grande parte dos adolescentes delinqüentes estudados por Dr. Bono eram daltônicos e freqüentemente apresentavam distúrbios no sistema nervoso. Em estudos para medir a força muscular dos delinqüentes,não foi encontrada uma resposta satisfatória, pois os delinqüentes “fingem serem mais débeis do que realmente são. Não reagem ao dinamômetro quanto poderiam.” (p. 51) No entanto, o estudo mostrou que a maior parte dos delinqüentes apresentavam canhotismo, ou seja, tinham mais força na mão esquerda do que na direita.

4 - Lombroso continua a discorrer sobre a sensibilidade dos delinqüentes no quartocapitulo, porém sobre a sensibilidade afetiva e não mais física. Assim como a insensibilidade à dor, a insensibilidade afetiva é geral nos delinqüentes, o primeiro dos sentimentos a ser “deletado” é o da compaixão pela desgraça alheia. Lacenaire deu o seguinte testemunho: “A visão de um agonizante não produz em mim qualquer efeito. Eu mato um homem como bebo um copo de vinho.” (p. 53)....
tracking img