Resumo do livro o desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde, de maria cecília minayo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 32 (7994 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de julho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.

Fazendo uma síntese sobre a questão qualitativa, superior ao positivismo a ás abordagens compreensivistas, a dialética marxista abarca não somente o sistema de relações que constrói o modo de conhecimento exterior ao sujeito, mas também as representações sociais que constituem a vivenciadas relaçõesobjetivas pelos atores sociais, que lhe atribuem significados. Frente à problemática da quantidade e da qualidade a dialética assume que a qualidade dos fatos e das relações sociais são suas propriedades inerentes, e que quantidade e qualidade são inseparáveis e interdependentes, ensejando-se assim a dissolução das dicotomias quantitativo/qualitativo, macro/micro, interioridade e exterioridade com quese debatem as diversas correntes sociológicas. Pg.11

Numa oposição frontal ao positivismo, a sociologia compreensiva propõe a subjetividade como fundante do sentido e defende-a como constitutiva do social e inerente ao entendimento objetivo. Essa corrente não se preocupa de quantificar, mas de lograr explicar os meandros das relações sociais consideradas essência e resultado da atividade humanacriadora, afetiva e racional, que pode ser apreendida através do cotidiano, da vivência, e da explicação do senso comum. Pg.11

Os critérios de complexidade e de diferenciação lhe permitem trabalhar o caráter de antagonismo, de conflito e de colaboração entre os grupos sociais, e no interior de cada um deles, e pensar suas relações como múltiplas em seus próprios ângulos, intercondicionadas emseu movimento e desenvolvimento interior e interagindo com outros fenômenos ou grupos de fenômenos. Pg. 12

A abordagem dialética porém está pouco desenvolvida, particularmente no que concerne ao ponto de partida das representações sociais. Isso leva a que os estudos substantivos realizados a partir dessa perspectiva sejam um desafio que enfrenta o pesquisador, pois exige dele uma superação dosinstrumentos de pesquisa usualmente empregados pelas correntes compreensivistas ou funcionalistas, e a inclusão dos SIGNIFICADOS na totalidade histórico-estrutural. Pg.12

A noção de Metodologia de Pesquisa Social – não fosse as conotações historicamente mediadas do primeiro termo – seria suficiente para qualificar o campo de abordagem das relações sociais, abrangente de seus aspectosestruturais e da visão que os atores sociais projetam dessas relações. Pg. 13

A discussão crítica do conceito de “Metodologia Qualitativas” nos induz a pensá-las não como uma alternativa ideológica ás abordagens quantitativas, mas a aprofundar o caráter do social e as dificuldades de construção do conhecimento que o apreendem de forma parcial e inacabada. As diferentes teorias que abrangem (cada umadelas) aspectos particulares e relegam outros, nos revelam o inevitável imbricamento entre conhecimento e interesse, entre condições históricas e avanço das ciências, entre identidade do pesquisador e seu objeto, e a necessidade indiscutível da crítica interna e externa na objetivação do saber. Pg.12

[...] dentro de uma sociologia de classe que: a) possua instrumentos para perceber o caráter deabrangência das visões dominantes (pois as classes se encontram entre si, no seio de uma sociedade em relação e com problemas de aculturação recíproca); b) perceba também a especificidade dos sistemas culturais e de sub-culturas dominadas em suas relações contraditórias com a dominação; c) defina a origem e a historicidade das classes na estrutura do modo de produção; d) conceba sua realização tantonos espaços formais da economia e da política como nas matrizes essenciais da cultura como a família, a vizinhança, os grupos etários, os grupos de lazer etc., considerando como espaços inclusivos de conflitos, contradições, subordinação e resistência tanto as unidades de trabalho como o bairro, o sindicato como a casa, a consciência como o sexo, a política como a religião. [...] Pensada assim,...
tracking img