Resumo de hist. da arte

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3750 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
E.H. Gombrinch. A História da Arte

Capítulo 12: A Conquista da Realidade

“A PALAVRA RENASCENÇA significa nascer novamente ou ressurgir, e a idéia de tal renascimento ganhou terreno na Itália desde o tempo de Giotto. Quando as pessoas desse período queriam elogiar um poeta ou um artista, diziam que sua obra era tão boa quanto a dos antigos. Giotto fora exaltado assim como um mestre que tinhaliderado um verdadeiro ressurgimento da arte: as pessoas queriam significar com isso que a arte de Giotto era tão boa quanto a daqueles famosos mestres cujas obras encontravam louvadas nos autores antigos da Grécia e de Roma. [...] A idéia de um renascimento associava-se na mente dos romanos à idéia de uma ressurreição da "grandeza de Roma". O período entre a idade clássica, para a qual voltavamos olhos com orgulho, e a nova era de renascença, que aguardavam com esperança, era meramente um melancólico interregno. "O Período Intermédio". Assim, a idéia de uma renascença foi responsável pela idéia de que o período interposto era uma Idade Média — e ainda usamos essa terminologia.” (p.167)

“Também sabemos que o ressurgimento da arte, após o choque e a agitação da Idade das Trevas, deu-segradualmente e que o próprio período gótico presenciou a grande arrancada desse ressurgimento.” (p. 168)

“Os italianos do século XIV acreditavam que a arte, ciência e erudição tinham florescido no período clássico, que todas essas coisas tinham sido destruídas pelos bárbaros do Norte e que lhes cumpria a missão de ajudar a reviver o glorioso passado e, portanto, a inaugurar uma nova era. [...]Consta que ele viajou para Roma e mediu as ruínas de templos e palácios, fazendo esboços de suas formas e ornamentos. Jamais foi sua intenção copiar literalmente esses antigos edifícios. Dificilmente eles poderiam ser adaptados às necessidades da Florença quatrocentista. O que Brunelleschi tinha em mira era a criação de um novo processo de construção, em que as formas da arquitetura clássicafossem livremente usadas para criar novos modos de harmonia e beleza. [...] Somente no século atual os arquitetos começaram a questionar o programa de Brunelleschi e rebelaram-se contra a tradição renascentista na construção, tal como ele se revoltou contra a tradição gótica.” (p. 169)

“Brunelleschi não foi apenas o iniciador da arquitetura da Renascença. Segundo parece, a ele se deve outramomentosa descoberta no campo da arte, a qual também dominou a arte de séculos subseqüentes: a da perspectiva.” (p. 170)

“Em vez da graça delicada, viram figuras maciças: em lugar de curvas fluentes, sólidas formas angulares; e em vez de pormenores refinados, como flores e pedras preciosas, um túmulo sombrio com um esqueleto em cima. Mas se a arte de Masaccio era menos agradável à vista do que aspinturas a que estavam habituados, por outro lado, era bem mais sincera e comovente. Podemos depreender que Masaccio admirou a grandeza dramática de Giotto, embora não o imitasse.” (p. 173)

“A nova arte da perspectiva aumenta ainda mais a ilusão de realidade. Donatello deve ler começado por se perguntar: "Como teriam acontecido as coisas quando a cabeça do santo foi trazida para o salão?" Eleempenhou-se em representar um palácio clássico como aquele em que o evento poderia ter ocorrido, e escolheu tipos romanos para as figuras ao fundo. Percebese nitidamente que, de fato, nessa época, Donatello, como seu amigo Brunelleschi, tinha iniciado um estudo sistemático dos remanescentes romanos para ajudá-lo a concretizar o renascimento da arte.” (p. 175)

“O domínio da ciência e do conhecimentoda arte clássica manteve-se por algum tempo na posse exclusiva dos artistas italianos da Renascença. Mas a vontade apaixonada de criar uma nova arte, que fosse mais fiel à natureza do que tudo o que fora visto até então, inspirou também os artistas da mesma geração no Norte. [...] Ao invés dos artistas florentinos de sua geração. Jan van Eyck não rompeu radicalmente com as tradições do Estilo...
tracking img