Resumo de criminologia

RESUMO CRIMINOLOGIA
 TEORIA DA ANOMIA

• Conceito de anomia para Durkheim: anomia constitui uma das causas do suicídio. São situações de desregulação que deixam os movimentos sociais sem um freio para discipliná-los. É a anomia, pois, uma ausência ou desintegração das normas sociais. Ausência de normas sociais de referência que acarreta uma ruptura dos padrões sociais de conduta, produzindouma situação de pouca coesão social.
• O cometimento do crime decorre da pressão da estrutura cultural (conjunto de valores normativos que governam a conduta comum dos membros de uma sociedade ou grupo. Valores.) e das contradições desta com a estrutura social (conjunto organizado de relações sociais no qual os membros da sociedade ou grupo são implicados de varias maneiras. Isto é, a estruturade oportunidades reais que condicionam, de fato, a possibilidade de os cidadãos se orientarem para adequar seus objetivos culturais, respeitando as normas legais). A anomia advem do colapso na estrutura cultural, especialmente de uma bifurcação entre as normas e os objetivos culturais e as capacidades do grupo de agirem de acordo com essas normas e objetivos.
• Faltará uma regulamentação durantecerto tempo. Não se sabe o que é possível e o que não é, o que é justo e o que é injusto, quais as reivindicações e esperanças legítimas, quais as que ultrapassam a medida.
• Quando as regras sociais e os valores que guiam as condutas e legitimam as aspirações dos indivíduos se tornam incertos, perdem seu poder, ou, ainda, tornam-se incoerentes ou contraditórios em virtude das rápidastransformações da sociedade.

 CONTROLE SOCIAL FORMAL E INFORMAL

• Quando mecanismos de controle social são utilizados casualmente pelas pessoas – como sorrisos, olhar de reprovação, advertência verbal – considera-se controle informal.
• Quando o controle social é levado a cabo por agentes autorizados, como policiais, médicos, empregadores e militares, é dito controle formal.
• A expressãocontrole social se refere à técnicas, estratégias e esforços para regular o comportamento humano em qualquer sociedade. A sociedade provoca a aceitação das normas básicas (sejam elas formais ou informais) por meio do controle social.

 VITIMIZAÇÃO SECUNDÁRIA

• Vitimização é o efeito que o crime gera sobre a vítima.
• vitimização secundária: é a verificação com a atitude estatal em bipolarizara relação processual entre Estado-delinquente, deixando a vítima relegada a um segundo plano.
• A vitimização, seja a secundária ou a terciária, são responsáveis diretas pelo fenômeno criminológico conhecido como “cifras negras”, que nada mais são do que os inúmeros crimes que não chegam ao conhecimento dos órgãos oficiais repressivos, causando uma diferença considerável entre a criminalidadereal e a criminalidade oficial.
• A primária reflete as ações e conseqüências obtidas pela vítima no contato preliminar e inicial decorrente do delito e o autor, tais como temor, dano físico, social, psicológico ou econômico. Há, genericamente, em decorrência da infração penal, um choque emocional no ofendido, expressado, mais das vezes, por alguns daqueles sentimentos. A secundária espelha asresultantes, como comunicação, acolhimento e informação da atividade do sistema policial e jurídico-penal em face do aparelhamento estatal diante da vítima. A vitimização secundária, infelizmente, por muitas circunstâncias e ocasiões, se torna mais traumática que a experiência primária. Assim, ao invés de reduzir os impactos maléficos da infração, o Estado conduz o lesado a um ponto de maiorestresse e insegurança, quiçá ainda, à total insegurança, não apenas material, mas também social, haja vista a indiferença da Administração frente ao seu corpo social

 ESCOLA CLÁSSICA

• Academicamente a Criminologia começa com a publicação da obra de Cesare Lombroso chamada "L'Uomo Delinquente", em 1876. Sua tese principal era a do delinquente nato.
Já existiram várias tendências causais na...
tracking img