Resumo da obra mercador de veneza

“O mercador de Veneza” de William Shakespeare

Através dos personagens Antônio e Bassâncio, Shakespeare conseguiu descrever com maestria dois estilos de vida em oposição, cada qual representandouma tendência em especifico.
No caso Antônio seria o típico representante da nova tendência mercantilista, o próprio representante de uma pré-burguesia detentora do capital ligado as navegaçõeseuropéias.
Enquanto por sua vez Bassâncio seria o típico representante da nobreza, já então em decadência e dependente, de certo modo, desta pré-burguesia.
No caso de Antônio, o autor declaradamente narraque ele é proprietário de “um galeão destinado a Trípoli, outro a caminho das Índias, um terceiro no México, e um quarto rumo à Inglaterra”, possuindo “ainda outros espalhados em longínquas regiões”. Shakespeare refere-se a Antônio como um rico negociante de “especiarias” e “sedas”. 
O que é totalmente verossímil, uma vez que sendo este personagem veneziano, sua nacionalidade o torna um naturalfinanciador das viagens marítimas, sobretudo portuguesas.

Portugal e os genoveses
Sendo Portugal um país pobre e militarmente fraco, a única alternativa possível visando superar esta questão foi aexpansão ultramarina.
Devido à falta de recursos econômicos da Coroa portuguesa, o Estado foi obrigado a contrair empréstimos internos junto aos “judeus” portugueses.
Os empréstimos externos, porsua vez, foram obtidos com comerciantes “florentinos” e “genoveses”.
Estes últimos, muitas vezes, terminavam funcionando como verdadeiros armadores e, portanto, como os reais proprietários de muitasdas embarcações portuguesas.
Neste tocante, é necessário lembrar que os italianos participaram da expansão marítima européia, principalmente através de seu capital.
O apoio italiano as navegaçõesportuguesas veio somente depois que uma galera genovesa que partiu em 1291 em busca de uma rota marítima para a Índia nunca mais foi vista.
Por disporem os portugueses de embarcações e técnicas...
tracking img