Resumo caps 3 e 4 . construtivismo: de piaget à emília ferreiro.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2188 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
AZENHA, M. G. Construtivismo: de Piaget à Emília Ferreiro. 7 ed. São Paulo. Ática, 1993.
A alfabetização

No começo do capítulo, Maria da Graça Azenha faz uma contextualização do tema, enfatizando que a partir dos anos 80 houve um crescente interesse pelo tema da alfabetização inicial. Ela cita Emilia Ferreiro, uma psicopedagoga argentina, orientanda de doutorado de Jean Piaget, que é umagrande estudiosa do tema.
Junto com Ana Teberosky, Emilia Ferreiro escreveu o livro Psicogênese da língua escrita, que representou uma grande revolução conceitual, iniciando a instauração de um novo paradigma para a interpretação da forma pela qual a criança aprende a ler e a escrever.
Além de demonstrar que o fracasso nas séries iniciais da vida escolar atinge principalmente os setoresmarginalizados da população, o trabalho de Ferreiro e Teberosky trazem uma contribuição original do ponto de vista teórico, pois estudam um objeto ao qual Piaget não se dedicava. Devido principalmente a esses dois fatores, deve-se a grande importância do trabalho delas.
O trabalho de Ferreiro e Teberosky não propõem novos métodos de alfabetização e não foca os problemas de aprendizagem. O que esse trabalhoprocura demonstrar são os processos existentes na aquisição da linguagem escrita na criança. As pesquisadoras consideram essencial interpretar as formas peculiares que cada criança utiliza nesse processo de entender a escrita e para isso elas fazem a análise dos erros cometidos e da evolução desse processo em cada fase pela qual a criança passa.
Maria Graça Azenha coloca também que Ferreiro buscana Psicolinguística as bases para analisar seus experimentos e testar suas hipóteses. Para Ferreiro, ao ingressar na série onde começa a alfabetização, a criança já detém uma grande competência linguística que não é considerada pelo fato de considerar-se até o momento, que a aquisição da linguagem escrita ocorre da mesma forma que a linguagem oral (primeiro as vogais, depois as consoantes edepois a duplicação de sílabas).
No entanto, segundo Ferreiro, a linguagem atua como uma representação, ao invés de apenas a transcrição gráfica dos sons falados. O mundo verbal, incluindo a fala e a escrita, é um sistema com relações internas entre ambos os códigos, onde não há estrita correspondência entre ambos.
Alguns testes existentes para avaliar os processos da aquisição da linguagem escritanão são capazes de detectar os processos cognitivos dessa aquisição. Quando a criança desenha uma letra na folha, não significa que ela esteja compreendendo a natureza da escrita e sua organização. Assim, Ferreiro procura realizar experimentos novos para analisar os processos internos envolvidos na aquisição da escrita.
Outro aspecto importante relatado no texto é o fato de que a participação dascrianças em atividades em que os adultos estejam interagindo com a escrita e leitura gera oportunidades para que a criança reflita sobre o significado desse processo. Diante disso, se pode prever as diferenças que existem entre as crianças de acordo com o ambiente em que vivem.
Ferreiro utilizou o “método da indagação” em suas situações experimentais, que foi um método inspirado no método clínicode Piaget. Uma das tarefas implicava a classificação de cartões, separando-os em dois grupos: os que podem e os que não se podem ler, com o objetivo de verificar a existência de critérios particulares da criança, utilizados para aceitar ou rejeitar algo como adequado para ler. Uma outra situação de leitura consistia na apresentação de pranchas com figuras acompanhadas de textos a sereminterpretados. Os resultados das pesquisas foram publicados no livro Psicogênese da língua escrita e Maria da Graça Azenha reorganiza nesse capítulo os principais resultados das pesquisa feitas por Ferreiro e Terebosky.
Com os resultados da aplicação da tarefa de classificação de cartões com informações escritas, Ferreiro e Teberosky concluíram que, mesmo antes de ler, as crianças têm ideias precisas...
tracking img