Resumo: bertrand russel. os problemas da filosofia.

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (409 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes
Departamento de Filosofia
Discente: Ícaro Rafhael

Resumo: Bertrand Russel. Os Problemas da Filosofia.1912, Oxford University Press, 1959, reimpresso em 1971-2.

Russel inicia seu texto falando sobre como a filosofia é subestimada quando a sua utilidade, diz que muitas pessoas, influenciadas pelos“negócios práticos”, tendem a não enxergar a utilidade advinda dessa. Ele fala que o bem que a filosofia gera é espiritual, e ainda afirma: ”Se todos os homens estivessem bem; se a pobreza e as enfermidadestivessem já sido reduzidas o mais possível, ainda ficaria muito por fazer para produzir uma sociedade verdadeiramente válida; e até no mundo existente os bens do espírito são pelo menos tão importantesquanto os bens materiais.”. São para os que não ignoram os bens espirituais que a filosofia não será inútil.
O autor ainda aponta que muitos estudos, antes de possuir um conhecimento preciso, eramestudados pela filosofia, sendo exemplos a astronomia e a psicologia. Russel também menciona certas questões fundamentais que o homem faz e que não há resposta que possa ser dada pelo ser humano, mastambém alerta sobre a importância de fazê-las.
Nessa linha de raciocínio, Russel afirma que a importância da filosofia está nas perguntas e não nas respostas, como acontece em outras ciências e que aoanalisar coisas simples de forma filosófica, obteríamos, quando chegássemos a perguntas profundas, respostas incompletas. Ele diz que o principal valor da filosofia é a liberdade que esta dá a quempensa dessa forma, podemos pensar de tantas formas possíveis sobre qualquer assunto que nos desprendemos do mundo e seus preconceitos, tornando os que filosofam pessoas serenas e livres.
Russel tambémdestaca a importância de desprendimento do “eu” na contemplação filosófica, ele diz que no momento que o “eu” participa dessa contemplação, a mente não é capaz de ter o alcance da infinidade...
tracking img