Resposta reflexo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1285 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A RESPOSTA-REFLEXO:

Uma Intervenção Fenomenológica

 

Sonia Maria Lima de Gusmão

Pretendo retomar aqui um tema "ultrapassado" na Abordagem Centrada na Pessoa: a Resposta-Reflexo. Ultrapassado vem entre aspas, pois questiono o ultrapassado, da mesma, sem querer perpetuar verdades antes ditas, mas, talvez, buscar no antigo o que ele ainda pode nos trazer de bom.

Dialeticamente, aantítese se contrapõe a tese, num movimento antagônico e excludente. A síntese, movimento conciliatório, busca o que de bom existe nos opostos e trilha o caminho do meio, como na milenar sabedoria oriental.

Enfatizada na fase reflexiva, segunda fase da Abordagem Centrada na Pessoa, a resposta-reflexo foi, muitas vezes, utilizada como uma mera técnica, sobretudo por profissionais iniciantes ou menossensíveis, que não se davam conta de que sua aplicabilidade, se é que podemos chamar assim, muito mais do que uma intenção de agir, constitui, sobretudo, uma expressão do fluir das atitudes pessoais do terapeuta, do seu jeito de ser e de se relacionar, de sua capacidade empática e de sua pertinência como expressão verbal de um dado momento fenomenológico.

Sua categorização se deu a partir doestudo posterior de entrevistas, não sendo, portanto, criada a priori para funcionar como uma técnica que seria utilizada pela Abordagem Centrada na Pessoa. Constatou-se nesse estudo (análise de entrevistas realizadas por Carl Rogers) que o terapeuta com um alto grau de empatia e genuinamente interessado pelos seus clientes, como era o caso de Rogers, tendia, naturalmente, a emitir esse tipo deresposta na sua interação com seus clientes, e que essa maneira natural de intervir possibilitava ao cliente a ocasião para verificar se sua comunicação correspondia exatamente ao vivido, dando-lhe a oportunidade de confirmá-la, reformulá-la ou mesmo refutá-la, guiando-se por uma lógica interna.

Nessa época, é bom lembrar, Rogers não estava preocupado com técnicas e não tinha sequer muitaconsciência de que havia criado uma nova abordagem psicoterapêutica. Portanto, como explica Kinget: "estas categorias (as diversas modalidades do reflexo), longe de constituir técnicas sistematicamente inventadas com fins particulares, representam formas e variações que, muito naturalmente, a expressão verbal assume no interlocutor que se esforça em se despojar de seu próprio ponto de referência, com o fimde submergir no claro-escuro do mundo subjetivo do outro". Mas, o fato de que muitos o utilizaram como mera técnica, fazendo, portanto, um uso incorreto do mesmo, gerou um certo desconforto dentro da Abordagem Centrada na Pessoa. Muitas vezes, os terapeutas repetiam mecanicamente a comunicação do cliente, imitando terapeutas mais experientes e deixando de ser eles mesmos nas relações com seusclientes. A evidência de que, quanto mais autêntico e pessoal fosse o terapeuta na relação com o seu cliente, mais efetivo, terapeuticamente, ele seria, parece ter sido o tiro de misericórdia nesse tipo de intervenção, tal qual vinha sendo utilizada. A ênfase passou a ser a experiência, o vivido, a relação. Nessa fase, além do terapeuta facilitar os processos experienciais do cliente, participa,também, de um modo mais pessoal na relação com o seu cliente, favorecendo, assim, um novo modelo de relação – a relação como sendo um encontro existencial.

Parece que a nova ordem estabelecida, ou seja, a ênfase nos aspectos fenomenológico-existenciais, gerou um preconceito a respeito da resposta-reflexo, pois sendo o momento fenomenológico ímpar não comportaria uma técnica estabelecida a priori. Nanossa compreensão, é justamente aí onde se encontra o equívoco, pois todos os momentos plenos, fenomenológicos e empáticos da terapia, particularmente da abordagem centrada na pessoa, são permeados desse tipo de comunicação, como uma decorrência natural desse modo de se relacionar com o outro. Um modo particular que enfatiza a experiência presente e a relação pessoal e profunda. Sendo assim,...
tracking img