Resenha

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1450 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 23 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Resenha
. Graciliano Ramos

VIDAS ETERNAMENTE SECAS


Requitica

Raquítica, pálida e doente
fica a pobre criatura
e a boca da sepultura
vai engolindo o inocente.
Meu Jesus! Meu Pai Clemente,
que da humanidade é dono,
desça de seu alto trono,
da sua corte celeste
e venha ver seu Nordeste
como ele está no abandono.
Patativa do Assaré
Árido, seco, hostil, áspero.Ler a obra de Graciliano Ramos é como tocar na terra do sertão nordestino e sentir integralmente a dureza e a agressividade num lugar onde o destino é condicionado por um sol que brilha como se existisse unicamente para castigar seus habitantes. É como apalpar e vivenciar um ambiente onde qualquer possibilidade de sonho e vida secam.

Obras

obras mais valiosas e expressivas da LiteraturaBrasileira, se conjuntura no cenário literário do Modernismo: a “Geração de 30”. Inserido num contexto regionalista, a obra expõe, com maestria, os crudelíssimos problemas da seca do sertão nordestino e da opressão social vivenciada pelos retirantes. O livro exibe de modo abrupto e inquietante a história da degradada família composta por Fabiano, Sinhá Vitória, Menino mais novo, Menino mais velho epela cachorra Baleia. Flagelados, miseráveis, famintos e raquíticos, possuem uma vida mais que “dura”: é uma subvida nordestina.
A caatinga e a seca, obrigatoriamente, fomentam-lhes comportamentos nômades na busca incessante por sobrevivência. Por conseguinte, esse anseio torna-se um ciclo, no qual há sempre um recomeço, e, sem destino, só lhes resta a opção de retirada. Logo, o romance adquiredimensão praticamente épica, ao problematizar de modo lúcido, a flagrante realidade das exasperantes e perenes condições de sobrevivência no sertão, definida concretamente pela viagem sem rumo da família dos desprovidos ao extremo. Reproduz, metonimicamente, por meio do relato dos “sem destino”, o drama, que no Brasil, geralmente ultraja multidões de errantes em busca de uma vida melhor.
As misériasdos personagens são narradas em terceira pessoa. O autor divide, a seu bel prazer, o livro em treze capítulos que narram a retirada, a permanência na fazenda e uma segunda retirada. Tais fatos são narrados a uma maneira bem peculiar e paradoxal: os capítulos mantêm certa autonomia, fragmentação e interdependência, todavia Graciliano Ramos os justapõe harmoniosamente. É por trás dessa composiçãoaparentemente desconexa, que se configura uma relação, quase que umbilical, entre a linguagem e a temática social da produção. Graciliano explora com talento a descontinuidade dos episódios, focalizando singularmente, o traço dominante no caráter de cada integrante da Nº 10 | Ano 9 | 2010 | Resenhas (3) p. 3
família.
Os personagens supracitados representam uma típica família sertaneja nordestina:pobre, miserável, e extremamente faminta a ponto de procurar raízes para saciar sua fome e comer um papagaio, que era um de seus bichos de estimação:
Ainda na véspera eram seis viventes, contando com o papagaio. Coitado, morrera na areia do rio onde haviam descansado, à beira de uma poça: a fome apertara demais os retirantes e por ali não existia comida. Baleia jantara os pés, a cabeça, os ossosdo amigo, e não guardava lembranças disso. (RAMOS, 2008, p.11).
Já no capítulo inicial, verifica-se um vocabulário mais direto, rude e seco, a fim de representar seus interlocutores, o ambiente e as condições socioeconômicas que os cercam. Em seu estilo refinado e frugal, Graciliano adota uma linguagem comedida, ora pelo uso moderado de adjetivações, ora pelo uso de frases breves, concisas.Assim, recria, de forma espetacular, a secura de vida dos personagens e da paisagem nordestina.
Nesse mesmo fio condutor, as adjetivações são restritas ao máximo. O autor descreve suas criaturas de maneira bem simples, como o ambiente e o meio social em que vivem exigem. Fabiano era vaqueiro; Sinhá Vitória era dona de casa que desejava a “cama com lastro de couro”. As crianças sequer não são...
tracking img