Resenha o direito a preguiça

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (621 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de abril de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Em sua obra O direito à Preguiça, Paul Lafargue relata com excelência, o pensamento que esteve envolto do trabalho, desde o início da humanidade. Para isso, foi necessário traçar um itineráriohistórico das diversas visões sobre o trabalho até aquele momento em que foi escrito o seu livro, em meados do século XIX, em meio as idéias socialistas inspiradas no pensamento de Karl Marx e astransformações que vinham ocorrendo com o advento da Revolução Industrial.
            Nas suas análises, Lafargue , faz profundas críticas ao padrão capitalista emergente, que inspirado nos princípiosteológicos e positivistas, explorava cada vez mais a força de trabalho. Diante da superexploração da população, o quadro apresentado pelos ideários da industrialização e da revolução burguesa, era o de umaumento crescente de miséria e pobreza de grande parcela dos segmentos sociais. Desde a Revolução, com a burguesia no poder, aboliram-se os feriados a fim de subjugar os operários às leis dotrabalho. Para que os burgueses pudessem atingir seus anseios, foi necessário buscar dogmas do passado para que a população de modo geral “aceitasse” as normas que eram impostas. Segundo a tradiçãojudaico-cristã, como forma de castigar Adão e Eva, que “desobedeceram” certas regras, Deus impôs para ambos o trabalho. Esse foi um mecanismo punitivo, que por não cumprir a vontade divina, passaram a ter otrabalho como uma imposição e a preguiça como um pecado capital. É com esses preceitos, que o clero propagará uma filosofia que explicará que o homem está na terra para sofrer. O trabalho passa a servisto como um dogma, uma lei , a ser cumprido e respeitado. Mas, o que pode ser percebido é que Deus, após a criação do universo em seis dias, foi descansar eternamente no sétimo dia, como descreveLafargue “Jeová, o deus barbudo e rebarbativo, deu aos seus adoradores o exemplo supremo da preguiça ideal; depois de seis dias de trabalho, repousou para a eternidade.”, constatando uma notória...
tracking img