Resenha sobre dreher, martin n. a crise e a renovação da igreja no período da reforma

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1645 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Dreher, Martin N. A Crise e a Renovação da Igreja no Período da Reforma. Coleção História da Igreja, vl. 3, São Leopoldo: Sinodal, 1996.
http://www.editorasinodal.com.br/autores.php?id=35, Acesso: em 07 de março de 2013.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Martin_Dreher, acesso: em 07 de março de 2013.
Martin Norberto Dreher (Montenegro, 1945) é um pastor luterano, professor e historiadorbrasileiro. Cursou teologia na Faculdade de Teologia da IECLB, formando-se em 1970. Depois, doutorou-se em história da igreja, pela Ludwig-Maximilians Universtät, em Munique, 1975. Foi professor de teologia e pastor em diversas paróquias da IECLB. É professor de História da UNISINOS, tem diveras obras vinculadas à história da Reforma do século XVI, da igreja na América Latina, história da colonização eimigração na América Latina, principalmente germânica. Por ter nascido num 10 de novembro, seu pai o registrou com esse nome, em homenagem ao reformador Martin Lutero, também nascido num 10 de novembro.
“A Reforma não iniciou com a divulgação das 95 Teses de Lutero em 31 de outubro de 1517”. (pg. 14).
“A Reforma deve ser vista como um período entre a Idade Média e a Idade Moderna”. (pg. 14)
“AIdade Média é um período de sutil equilíbrio entre sacerdócio e Império. No final, o próprio papado contribuiu para pôr fim a ele”. (pg. 14).
“Havia muitos bispos que não tinham interesse em questões espirituais e buscavam solidificar suas posições por meios políticos. Por seu turno, muitos príncipes seculares buscavam fortalecer seu poder”. (pg. 15).
“A Igreja foi responsável pela formaçãoliterária, pelo direito, pela tradição política e pela técnica, com tudo isso é lógico que o clero tinha que ser o detentor do saber, indo muito além de suas prerrogativas teológicas”. (pg. 15).
“Liberdade cristã foi lema da Reforma, mas também o motivo que levou muitas pessoas a se afastarem dela”. (pg. 16).
“Seu adultério com Vanozza de Cataenis era conhecido, bem como os quatro filhos que teve comela. Além destes, teve filhos com outras mulheres. Eleito papa. Continuou com sua vida desregrada. Pergunta-se: como foi possível que o colégio de cardeais o elegesse papa? A resposta é: por meio de suborno. Enquanto que de outros papas da Idade Média se pode dizer que foram eleitos por pressões ou imposições de reis e imperadores”. (pg. 17).
“Havia regiões em que o vício era tão comum, que osfiéis não mais se chocavam com ele”. (pg. 18).
“Se não havia preocupação com o espírito religioso ou com a crua d’ almas, havia grande preocupação em relação ao dinheiro”. (pg. 18).
“Em 17 de julho de 1505, Martim Luder ingressava, sem o conhecimento do pai, no convento dos agostinianos eremitas observante, em Erfurt, na condição de noviço”. (pg. 25).
“Em 2 de maio de 1507 celebrou sua primeiramissa”. (pg. 25).
“Em 31 de outubro de 1517, Martim Luder enviou aos bispos aos quais devia obediência – Jerônimo Schultz, de Brandenburgo, e Alberto, de Magdeburgo/Mogúncia – 95 teses a respeito do valor das indulgências”. (pg. 26).
“As teses não põem fim à Idade Média nem são o “Alvorecer” da Idade Moderna. Elas nada contêm de herético, mas são críticas justificadas a abusos na prática dasindulgências e uma contribuição acadêmica para sua superação”. (pg. 26).
“Suas críticas foram possíveis, pois ainda não existiam formulações dogmáticas acerca da questão. Por outro lado foram corajosas, pois tiveram que enfrentar um uso muito difundido e o interesse financeiro da Cúria Romana”. (pg. 27).
“Lutero não excluiu toda e qualquer forma de indulgência”. (pg. 27).
“Por isso não é de admirar quea discussão que sucedeu as teses não se ocupou com o tema “indulgência”, mas com temas como a autoridade eclesiástica, a autoridade do papa, a doutrina dos sacramentos”. (pg. 27/28).
“A tese sobre o valor das indulgências difundiram-se rapidamente, encontrando um eco altamente positivo, no qual se revelam escândalos quanto a seu uso”. (pg. 28).
“Cristo salva o pecador condenado, não o...
tracking img