Resenha - "religião popular, uma resposta cristã as crenças e práticas populares"

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 20 (4771 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
CENTRO EVANGÉLICO DE MISSÕES
MESTRADO EM MISSIOLOGIA

EDILSON RIBEIRO GOMES FILHO

RESENHA DO LIVRO:
RELIGIÃO POPULAR: uma resposta cristã às crenças e práticas populares.

Viçosa
2011

EDILSON RIBEIRO GOMES FILHO

RESENHA DO LIVRO:
RELIGIÃO POPULAR: uma resposta cristã às crenças e práticas populares.

Trabalho apresentado à disciplinaFenomenologia da Religião, como parte dos requisitos obrigatórios do Programa de Pós-graduação em Missiologia do Centro Evangélico de Missões.

Professora: Ms. Margaretha Nalina Adiwardana
.

Viçosa
2011
RESENHA

HIEBERT, Paul G./ R. Daniel Shaw/Tite Tiénou. Religião Popular: uma resposta cristã às crenças epráticas populares – antropologia cultural. Minas Gerais: Horizontes América Latina, 2009, 559p.

Em “Religião Popular”, os autores não visam construir respostas prontas para as questões levantadas pelas religiões e tradições populares, mas compreender a partir de um esquema de análise antropológica como tais religiões funcionam, buscando despertar os líderes e missionários a elaborarem umateologia relevante e, consequentemente, uma prática cristã que venha a romper com crenças e atitudes que persistem e aparecem em momentos de crises, mesmo dentro das igrejas locais. Os autores partem do pressuposto que existe um espaço no profundo do consciente coletivo onde predominam crenças, valores e atitudes profanas, que se tornam visíveis em momentos de crises por baixo da camadaoficialmente cristã em que eles chamam de “meio excluído”.

A estrutura do livro é formada de quatro seções composta de seus respectivos capítulos. As seções são: 1) “Desenvolvendo um modelo analítico”; 2) “Crença da religião popular”; 3) “Prática da religião popular”; e 4) “Uma resposta cristã à religião popular”.

Em “Desenvolvendo um modelo analítico”, analisa a princípio o problema, ouseja, “O meio excluído” (Cap. 1). Uma vez que pela experiência missionária, percebe-se ao redor do mundo um cristianismo configurado em dois níveis: Primeiro nível - a confissão de fé dos cristãos; Segundo nível - sistema consciente de crenças profundamente enraizado em tradições que revelam uma interpretação completamente diferente do universo proposto pela interpretação cristã.

Paracompreender melhor o porquê da superficialidade da atuação missionária no discipulado de outros povos, precisamos compreender as proporias influências que estes missionários sofreram. Tais missionários mergulhados pela mentalidade difundida no século XVIII compreenderam a realidade com as lentes do Iluminismo, que modelou a cosmovisão moderna que se caracterizou pelo: 1. Colonialismo – compreensão desuperioridade cultural do ocidente justificando assim a dominação; 2. Separação entre as realidades “naturais” das “sobrenaturais” pela nova ciência constituída, relegando as religiões às meras tradições culturais; 3. A teoria da evolução para compreensão do pluralismo cultural, denominando alguns povos avançados e outros primitivos, propondo, segundo Comte, que “a história tem três estágios –animista, metafísico/teológico e científico”. A ponto de argumentarem que: “as mentes animistas são produtos de mentes primitivas pré-lógicas”.

Diante de tais influências os missionários se consideraram superiores, dividindo a realidade em dois mundos, considerando as tradições locais como supertições sem apresentarem uma resposta a partir de uma análise séria destes contextos.

A respostacristã dos missionários:

1) Rejeição Total das Crenças e costumes antigos, o que gerava um problema transmitindo a mensagem que a cultural ocidental era cristã. Comprova-se que esta atitude não elimina a influência pagã das tradições;

2) Aceitação Acrítica de Antigos Costumes: os velhos costumes culturais foram vistos como bons, apenas realizando algumas mudanças. Esta postura acaba...
tracking img