Resenha do livro o pequeno principe

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1612 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O PEQUENO PRÍNCIPE


Ao ler a história do livro O Pequeno Príncipe, narrada pelo autor Antoine De Saint-Exupéry, nos faz refletir sobre os valores que deixamos de cultivar em nossas vidas. Deste modo, a mensagem do mesmo, nos mostra uma recordação do seu primeiro desenho de criança. Sendo assim, podemos observar o quanto é difícil os adultos entenderem o mundo infantil ou o mundo destespequenos tão indefesos, sinceros, ingênuos e de alma pura.
O valor é uma produção do devir humano dos homens. Cativar é criar um valor no plano da Inter pessoalidade. É o ato primordial da Ética e da Moral. Por meio do ato de cativar reproduzimos, quase que diariamente, os laços sociais e os pressupostos ontológicos da Ética e da Moral. É possível dizer que o principezinho representa a possibilidadealegórica da humanidade dilacerada pelo capital, emancipar-se. É um pequeno Príncipe, no sentido que é um Príncipe-criança. O que significa que ainda resta uma esperança. As crianças (e o principezinho é uma criança) conservam, dentro de si, as promessas da emancipação humana do fetichismo social. Talvez em Saint-Exupéry tenhamos a prefiguração das crianças como o “Bom Selvagem” de Rousseau(INTERNET, 2012).
Nota-se, quando o personagem em sua infância, havia desenhado um elefante engolido por uma jiboia, porém os adultos só diziam que era um chapéu. Quando cresceu, testava o grau de lucidez das pessoas, mostrando-lhes o desenho e todas respondiam a mesma coisa. Por causa disto, viveu sem amigos com os quais pudesse realmente conversar. Pelas decepções com os desenhos, escolhera aprofissão de Piloto e, em certo dia, houve uma pane em seu avião, vindo a cair no Deserto de Saara. Na primeira noite, ele adormeceu sobre a areia. Ao despertar do dia, uma voz estranha o acordou, pedindo para que ele desenhasse um carneiro. Era um pedacinho de gente, um rapazinho de cabelos dourados, o Pequeno Príncipe. Onde o narrador mostrou-lhe o seu desenho. O Pequeno Príncipe disse-lhe que nãoqueria um elefante engolido por uma jiboia e sim um carneiro. Ele teve dificuldades para desenhá-lo, pois fora desencorajado de desenhar quando era pequeno. Depois de várias tentativas, que não estavam dentro das normas que o Pequeno Príncipe queria, teve a ideia de desenhá-lo dentro de uma caixa. Para surpresa do narrador, o rapazinho aceitou o desenho.
Portanto, foi através deste desenho que onarrador travou conhecimentos com o Pequeno Príncipe. Ele contou-lhe que viera de um planeta, do qual o narrador imaginou ser o asteroide B612, visto pelo telescópio uma única vez, em 1909, por um astrônomo turco. O pequeno Planeta era do tamanho de uma casa. O Pequeno Príncipe contou o drama que ele vivia, em seu Planeta, com o baobá, árvore que cresce muito; por este motivo, ele precisava de umcarneiro para comer os baobás enquanto eram pequenos. Através do Pequeno Príncipe, o narrador aprendeu a dar valor às pequenas coisas do dia-a-dia; admirar o pôr-do-sol, apreciar a beleza de uma flor, contemplar as estrelas... Ele acreditava que o pequeno havia viajado, segurando nas penas dos pássaros selvagens, que emigravam.
Segundo Carl Marx a história do Pequeno Príncipe mostra que algumaspessoas estão tão condicionadas ao que fazem que nem mesmo percebem o mundo à sua volta, vivem em função do trabalho, mas nem mesmo conseguem usufruir de seus salários, além disso, priva-se de convívio social e de contatos afetivos, pois em virtude do trabalho que executam e da frequência com que o fazem, não tem tempo para filhos, família e muitas vezes não possuem tempo nem mesmo para si próprios.Tornam-se assim, máquinas de trabalho alienadas ao mundo e à sociedade à sua volta (INTERNET, 2012).
O Príncipe conta-lhe as suas aventuras em vários outros planetas: No primeiro era habitado por um rei que acredita que todos são seus súditos e nos ensina que cada um só pode dar o que tem para oferecer. No segundo um vaidoso que só ouvia elogios. Ele nos mostra que não precisamos de ninguém...
tracking img