Resenha do livro a desastrada maquinaria do desejo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (892 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
FAGUNDES, Mônica Genelhu:Desastrada maquinaria do desejo: a Prosa do observatório de Julio Cortázar. São Paulo. Ed. Porto de idéias. 2009.
Do desejo à desastrada maquinaria
Por João Carlos Tavares*O livro Desastrada maquinaria do desejo, de Mônica Genelhu Fagundes, lançado pela editora Porto de idéias em 2009 é parte da tese de doutorado de Fagundes. Nessa obra a autora se propõe a fazer umacrítica literária de Prosa del observatorio de Julio Cortazar.
Prosa del observatorio é um texto que se coloca em múltiplos diálogos. A obra dialoga com a astronomia, com a filosofia, com afotografia, com as literaturas em geral (inclusive com outros textos de Cortáza), com a mitologia. Assim, essa prosa é uma verdadeira prosa de uma Babel organizada que, ao contrário da Babel bíblica, seentende e se funde. E é com essa Babel que Mônica Genelhu se propõe a dialogar em Desastrada maquinaria do desejo. O resultado não poderia ser outro: O livro não é apenas um dialogo entre Genelhu eCortázar, mas um multidiálogo entre todas as vozes contidas em Prosa del observatorio e a análise crítico-artística de Genelhu. Seu texto não perpassa pela mera crítica literária; é sobretudo uma simbioseentre crítica-e-arte literária, de onde não se pode separar mais o elemento crítico do elemento estético. Sua linguagem é dialética, dialógica e artística a todo o momento. A obra de Genelhu não é apenasmais um falar sobre Cortazar, mas sim, nos termos de Eduardo Portela, um falar com Cortázar, pois “procura ser ela mesma uma criação, mas uma criação peculiar, alimentada pela idéia de que não se falasobre literatura de fora da literatura.” (PORTELA, 1981: 147).
Genelhu começa seu texto a partir da etimologia da palavra máquina (machina, ae – mekhane, ês). Dessa forma a autora começa a conduziro leitor ao mundo cortazariano a partir da célula mínima – a palavra – e vai adentrando até o plano do texto verbofotográfico, em que a fotografia – assim como em Prosa del observatorio – está não...
tracking img