Resenha do filme instinto

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (590 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O filme relata uma história em que um médico psiquiatra – Ethan Powell - enfrenta do desafio de entrevistar e diagnosticar um famoso antropólogo – Theo Caulder - que se encontra em estado clínico. Opaciente não dialoga com humanos há dois anos e o médico encara isso como um desafio para sua carreira. A causa de o cientista ter evitado contato com humanos é revelada no final do filme, onde ele,após ter quase se recuperado, retorna ao estado inicial.
No início da obra, observa-se que o psiquiatra tem um bom desempenho ao entrevistar pacientes. Sendo assim, seu mestre o designa um trabalho,no qual ele deve analisar o cientista citado anteriormente. Ao aceitar o desafio, ele deveria passar algumas semanas na penitenciária de segurança máxima. No primeiro encontro dos dois, observou-seque rapidamente o dr. Theo Caulder ganhou rapidamente a confiança do seu paciente, em face das tentativas que outros tiveram anteriormente, porém, constatou-se que o dr. Ethan Powell não se comportavacomo um animal não racional. Isso também foi evidenciado no começo do filme.
No segundo encontro entre os dois, o cientista já optou por relatar as experiências que ele sofreu no período que passouestudando gorilas na África. Nesse trecho do filme, pode-se afirmar que para um animal se inserir no nicho de outra espécie, aquele precisa agir como este, deixar de lado as diferenças e, acima detudo, respeitar o espaço de outrem. Desta forma, o dr. Ethan Powell conseguiu a confiança dos primatas e passou a viver com eles, compartilhando de tudo, inclusive as experiências.
Quando o psiquiatrafoi à terceira análise do dr. Ethan Powell, houve uma troca de posições, na qual o antropólogo passou a entrevistar o médico. Na terceira e última tentativa, o dr. Theo Caulder entendeu que o que hojeé tirado de nós (animais) , independente da classe social, raça ou idade, são nossas ilusões. Nesse trecho, tira-se a conclusão de que nós não controlamos nada em nossas vidas da forma que a guiamos...
tracking img