Resenha critica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1224 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 16 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Resenha do Artigo:

Schultz, Kirsten. Perfeita civilização: a transferência da corte, a escravidão e o desejo de metropolizar uma capital colonial. Rio de Janeiro, 1808-1821.Tempo, vol. 12, núm. 24, 2008, pp. 5-27. Universidade Federal Fluminense. Brasil

O texto em questão aborda que a transferência da corte portuguesa para o Brasil, teve como consequência o fim do “antigo sistema colonial”,pois os portos foram abertos e a corte estabeleceu-se no Rio de Janeiro, considerando-se assim a cidade a nova metrópole. E, apesar das circunstâncias que levaram a transferência da corte, os habitantes da colônia e os exilados da corte viram nas mudanças ocorridas uma chance de renovação política e moral da colônia, e assim a autora vêm examinando esta reconstrução da nova metrópole.
Oshabitantes perceberam que a transformação do Rio de Janeiro em corte real enfraquecia a oposição colônia/metrópole e implicava numa marginalização das práticas e estéticas que não demonstrassem essas mudanças. Desta forma, não ser mais colônia significava “civilizar”, porém havia limites a este projeto civilizador, limites produzidos pela própria sociedade e economias coloniais: a escravidão africana.
Aautora nos traz que dois meses antes da chegada da corte começaram as transformações na cidade no Rio de Janeiro para receber os exilados, e estas transformações continuaram após o estabelecimento da corte pois a medida que a população crescia, o comércio de varejo aumentava, casas eram construídas e a Coroa subvencionava a construção de novos prédios públicos, sendo assim instituída uma ImprensaReal, novas academias reais, uma escola de medicina, a biblioteca real, além da duplicação de instituições e a criação do Banco do Brasil. Além destas transformações físicas houve também uma redefinição de regras para a conduta pública refletindo hierarquia, virtude e esplendor real.
Após o fim das Guerras Napoleônicas, como já havia sido feito em Lisboa, a corte e a elite da cidade começaram ase inspirar na França, com o intuito de encontrar modelos de refinamento para a nova corte. Assim, em 1815 a Coroa subsidiou e recrutou artistas franceses para consolidar o esplendor e a elegância da nova corte. Desta forma a Missão Cultural Francesa incluía escultores, gravadores, pintores, um compositor, um engenheiro e um arquiteto, esta missão rendeu ainda mais frutos posteriormente com acriação de um museu nacional e de uma escola de belas artes, todas estas mudanças deram à Coroa uma visão de progresso, ordem e civilização.
Depois da corte instalada foi criada também uma Intendência Geral de Polícia para promover o “bem comum”, onde o intendente Paulo Fernandes Viana coordenou o primeiro esforço para coibir a criminalidade no Brasil, esta intendência possuía poderes legislativos,executivos e judiciários. E para o intendente Viana a magnitude de uma corte real deveria conciliar tanto segurança com virtudes, devendo ser dada uma educação moral aos habitantes da cidade, criando-se “vassalos úteis”, o intendente observou que a educação moral também cultivava a deferência e o amor do povo ao rei.
Assim, a nova corte incluía além da presença do soberano, a ampliação de áreasconstruídas e o embelezamento, uma proposta de criar uma ordem sociocultural prática.
Ainda segundo o artigo, a presença mais marcante entre a velha e a nova corte não era a arquitetura ou o comportamento, mas o fato de que a metade da população da nova sede imperial era escrava, e nada mais exclusivamente colonial do que a escravidão, pois em Portugal desde 1761 e 1773 já haviam decretos queaboliam a escravidão, portanto transformar o Rio de Janeiro em uma corte significava romper com o passado colonial, e o uso do trabalho escravo encontrava-se tão ultrapassado quanto as gelosias das construções que se queriam tirar.
Porém, para as elites, acabar com a escravidão geraria um impacto sobre a economia e a sociedade no Brasil, como o fim da agricultura de exportação e o aumento da...
tracking img