Resenha critica da politica social no capitalismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3240 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]




Universidade Estácio - FIR

Graduação em Serviço Social










Resenha Crítica





Obra: “Brasil, a construção interrompida”








Equipe: Amanda Lopes da Silva
Ana Patrícia Morais
Leonardo da Silva Ribeiro
Leonila Veridiana Araujo da Silva
Rosicleide Pereira Bento
Sandra Maria TavaresDisciplina: Formação Social no Brasil
Professora: Guilhermina D’Arc Carneiro
Período: 3°






Recife, 31 de outubro de 2012.
A presente obra pretende elencar as principais concepções sobre o desenvolvimento e o subdesenvolvimento econômico e social de Celso Furtado na obra “Brasil, a construção interrompida”. Convém antes, porém, ressaltar a importância desse autor e o contextohistórico da época que antecede até os dias da edição da obra.
Celso Monteiro Furtado nasceu em Pombal, na Paraíba, em 26 de julho de 1920, e faleceu no Rio de Janeiro, em 20 de novembro de 2004.
Foi um economista e um dos mais destacados intelectuais brasileiros do século XX.
Suas ideias sobre o desenvolvimento e o subdesenvolvimento econômico divergiram da doutrinadominante de sua época e estimularam a adoção de políticas intervencionistas sobre o funcionamento da economia. Podemos destacar isso como estilo inovador da época.
Conforme TEIXEIRA Jr, “Revisitar a teoria do desenvolvimento/ subdesenvolvimento de Celso Furtado faz todo sentido em uma realidade na qual os países que adotaram os ajustes macroeconômicos e as políticas de desenvolvimento neoliberais,não lograram o desenvolvimento em nenhuma de suas dimensões – humana, política, econômica, ambiental, etc. (Costa Lima, 2005) –, mas sim modernizaram-se.
A problemática do desenvolvimento ganha fôlego no período subsequente à II Guerra Mundial com os debates referentes à reconstrução econômica, política e institucional da Europa. Nesse contexto, dá-se a construção da CEPAL - ComissãoEconômica para a América Latina - (1948) e inicia-se um longo processo de maturação teórica referente aos problemas estruturais do sub-continente. (Bielschowsky, 1996).
Inseridos nessa realidade, teóricos como Prebisch e Furtado propunham-se ao exercício de interpretar e explicar as causas, a mecânica do atraso acumulado e a ausência do desenvolvimento econômico.
Dentre os demiurgos dopensamento latino-americano encontrava-se Furtado, como um dos maiores representantes deste pensamento posteriormente denominado como escola estruturalista latino-americana (Bielchowsky, 1996).
Furtado foi um teórico do desenvolvimento/ subdesenvolvimento, extremamente influenciado pelo pensamento de sua época, num período em que países importantes da América Latina, como Brasil e Chile,atentavam para a necessidade de conhecer melhor a realidade sócio-econômica da América Latina e tratar os problemas referentes ao atraso acumulado. Inserido neste contexto histórico, Furtado envereda na busca de compreensão sistemática das peculiaridades do desenvolvimento do capitalismo brasileiro e das causas dos atrasos estruturais acumulados.
Este pensador, confessadamente influenciado pelopensamento de homens como Prebisch, pela teoria keynesiana e pela concepção ativa do homem na história advinda da leitura de pensadores como Karl Mannheim, não se contentava com a descrição e análise dos problemas do subdesenvolvimento. Mas, ao pensar os problemas estruturais da América Latina, em especial o Brasil, buscava soluções estruturais que conduzissem à superação do subdesenvolvimento edo atraso.
A reflexão deste autor buscava a compreensão da totalidade, através da análise estrutural e diacrônica. Esta visão analítica interdisciplinar trouxe à economia política elementos antes de cuidado exclusivo de áreas especificas como a Sociologia (as organizações e forças sociais) e a Ciência Política (o Estado). Segundo Furtado, as decisões econômicas são decisões políticas...
tracking img