Renha pereira, potyara amasoneida

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1918 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]
UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - UNICENTRO
Setor de Ciências Sociais Aplicadas
Curso de Serviço Social








RESENHA CRITICA









SIRLENE DE SOUZA ANDRADE
















GUARAPUAVA
2012

SIRLENE DE SOUZA ANDRADE






RESENHA CRITICA




















Trabalho entregue àProfessora Sueli Godoi para obtenção parcial de nota, referente ao 2° semestre na Disciplina de Trabalho e Questão Social do Curso de Serviço Social da Universidade Estadual do Centro Oeste (UNICENTRO) em Guarapuava – PR.

















GUARAPUAVA
2012
PEREIRA, Potyara Amasoneida. Centralização e exclusão social: duplo entrave à Política de Assistência Social

SILVA E SILVA,Pobreza, desigualdade e políticas: caracterizando a realidade brasileira

Apresentação
No presente texto a autora toma como referencia a concepção de descentralização versus centralização e inclusão social versus exclusão social. Após uma breve analise do significado e alcance histórico-social destes conceitos, vai inseri-los discutindo sobre os atuais embaraços da política de assistência socialna realidade brasileira.

1 – Descentralização
Ela nasce a partir de uma onda de descontentamentos, segundo a autora com pelo menos ter questões, sendo: as décadas de governo autoritário com estrutura centralizada e piramidal; a crise econômica no país devido aos desajustes macroeconômicos gerando inflação, recessão, impedindo o crescimento econômico, aumentando as desigualdades sociais,alargando a separação entre ricos e pobres.
A partir do estado democrático e da constituição Federal de 1988 com ideais democráticos através de mecanismos como: iniciativa popular, voto, delegação de poder, passa a ser indicado à democratização pela participação popular nas ações e decisões governamentais e a descentralização como condição para desburocratização do poder central.
Osmunicípios tornam-se autônomos da Federação, a sociedade passa a exercer força política, representatividade e controle sobre os atos e decisões governamentais e de mercado. Uma descentralização associada à participação onde o Estado não abre mão de sua função de provedor e regulador e nem transfere suas responsabilidades para o setor privado, esta concepção e defendida pela vertente progressista. Poremdevido às diferentes vertentes ideológicas, a descentralização passa a ter outros significados.
Para os neoliberalistas descentralização é privatização para que a economia seja mais competitiva, na área social, focalização com objetivo de capitalizar recursos. Sendo também transferência de responsabilidade para o setor privado.
A autora defende o sentido de descentralização daconcepção progressista sendo que é esta que realmente pode construir praticas participativas com estruturas democráticas mediante os conselhos e comissões de fundamental importância para a construção do espaço público almejado. No entanto se opõe a idéia de Estado Mínimo porque só a união pode traçar as estratégias de combate a pobreza e redistribuição de renda coordenando os esforços de estados emunicípios, estabelecendo programas e articulando intervenções sendo nas áreas de saúde, Educação, assistência e habitação, garantindo liberdade individual e proteção social como direito de cidadania. Sendo da responsabilidade do Estado a condução das políticas públicas e sociais.


2 – Inclusão social
Para entender a inclusão social a autora propõe a discussão e compreensão do caráter e dimensãoatual da exclusão social. Desde os meados da década de 70, grande parte da população do planeta é atingida por uma exclusão global em seqüência crescente, caracterizando-se por exclusão global, grande parte da população passa a exigir mudanças nos debates e prioridades políticas.
Nas cidades “vitrines” chamadas de primeiro mundo a presença da exclusão é certa sendo caracterizadas pelo...
tracking img