Relatorio de eletricidade aplicada

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1011 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE DE CUIABA
FACULDADE DE ARQUITETURA ENGENHARIA E BELAS ARTES

RELATORIO DE AULA PRATICA NO LABOTATORIO
DE ELETRICIDADE APLICADA

Gilson Vaz
Débora

Cuiabá/MT
Abr/2011
UNIVERSIDADE DE CUIABA
FACULDADE DE ARQUITETURA ENGENHARIA E BELAS ARTES

RELATORIO DE AULA PRATICA NO LABOTATORIO
DE ELETRICIDADE APLICADA

Gilson VazDébora

Relatório apresentado como requisito à obtenção de nota parcial do 3° semestre do curso de Engenharia Civil da Universidade de Cuiabá, orientado pela Profª. Denis Martins.

Abr/2011
* SUMÁRIO

1. EXPERIMENTOS COM GERADOR DE VAN DE GRAFF 4
2. OBJETIVO: 4
3. RESUMO 4
4. INTRODUÇÃO 5
5. MATERIAIS E MÉTODOS 6
6. RESULTADOS E DISCUSSÕES 7
6.1 Teste 01 7
6.2 Teste 02 76.3 Teste 03 7
6.4 Teste 04 7
7. CONCLUSÃO 8

|
|
|

EXPERIMENTOS COM GERADOR DE VAN DE GRAFF

Em alguns trabalhos de pesquisa no campo da Física Moderna torna-se necessário a utilização de voltagens muito elevadas, cujos valores chegam a atingir alguns milhões de volts. As altas voltagens são usadas para acelerar partículas atômicas eletrizadas (prótons, elétrons, íonsetc.), fazendo com que elas adquiram grandes velocidades. Estas partículas são, então, lançadas contra os núcleos atômicos de diversos elementos, provocando reações nucleares que são estudadas pelos físicos. Um dispositivo que permite obter voltagens muito elevadas para serem usadas na experiência mencionada é o gerador de Van de Graaff.
Um gerador de Van de Graaff é uma máquina eletrostática quefoi inventada pelo engenheiro estado-unidense descendente de holandeses, Robert Jemison van de Graaff por volta de 1929.

OBJETIVO:

Entender o funcionamento do Gerador de Van de Graaff, que também engloba o entendimento de conceitos de eletrização, indução eletrostática, condutividade, etc.
RESUMO

Foram realizados 04 testes em laboratório com o aparelho de Van de Graff.
Com issofoi possível reconher, em diversos experimentos a influencia do campo elétrico, reconhecer que as cargas elétricas estáticas, se distribuem na superfície externa do condutor


INTRODUÇÃO

Se um corpo metálico C, eletrizado, for colocado em contato com outro corpo, D, também metálico, inicialmente descarregado, haverá transferência de apenas parte da carga de C para D. A transferência decarga é parcial porque ela é interrompida quando os potenciais dos dois corpos se igualarem.
Suponha, agora, que o corpo D possuísse uma cavidade e que C fosse introduzido nela. Nestas condições, a carga de C induziria cargas elétricas nas superfícies interna e externa de D. No caso, a superfície interna fica eletrizada negativamente e a superfície externa positivamente. Verifica-se que a cargainduzida nas paredes tem o mesmo módulo da carga no corpo C (que provocou a indução). Então, se este corpo for colocado em contato com a parede interna de D, a carga induzida nesta parede será neutralizada pela carga de C. Como conseqüência disso o corpo D ficará eletrizado com uma carga de mesmo sinal e de mesmo módulo que a carga inicial do corpo C. Em outras palavras, tudo se passa como se a cargade C fosse integralmente transferida para D.
Quando há contato interno, a transferência de carga do corpo que está dentro da cavidade para o corpo externo é integral, mesmo que este corpo já possua uma carga inicial. Assim, se o corpo C for novamente eletrizado e outra vez ligado internamente ao corpo D, sua carga se transferirá totalmente para D. Esta operação pode ser repetida várias vezes e,assim, é possível acumular em D uma quantidade de carga cada vez maior. A quantidade de carga em D, naturalmente, é limitada pela rigidez dielétrica do ar que a envolve. Se a rigidez dielétrica do ar for ultrapassada, parte da carga acumulada em D tende a escoar e, portanto, a carga máxima que pode existir em D é aquela que cria um campo igual à rigidez dielétrica do ar.

MATERIAIS E MÉTODOS...
tracking img