Reino vegetal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1364 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Reino
Vegetal



Colégio Estadual Colina Azul
Aluno:Lucas Alberto
Aluna: Wellia Kesla
Aluno:Myhael
Professora:Fernades
Disciplina:Biologia
Serie:2 ano ‘G’

Tema: Reino Vegetal

Aparecida de goiânia 06 de junho de 2012
Conclusão

Concluimos que neste trabalho as briófitas são pequenos vegetais que crescem sobre o solo úmido,pedras ou troncos de árvores e, as vezes, na água doce. Muitas briófitas apresenta uma reprodução assexuada.
As pteridófitas são vegetais vasculares, isto é, possuem vasos condutores de seiva. Além da reprodução assexuada por fragmentação, as pteredófidas apresentam um ciclo haplodiplobiôntico.
E o termo gimnosperma significa que as sementes estão decobertas e no ciclo das gimnospermasencontraremos folhas modificadas para produção de esporos pequenos (micrósporos).
E que as angiospermas são fanerógamas flores tipicas, e que elas possuem um ciclo haplodiplobiôntico com a fae haplóide muito reduzida.E a polonização pode ser feita pelo vento ou por insetos e outros animais que se alimentam do néctar.

A importancia da indurtria
A década de 30 e o primeiro governo de GetúlioVargas são um marco do processo de desenvolvimento econômico brasileiro, cujo objetivo era a transição de uma economia atrasada e agrária baseada no café, fortemente atingida pela Crise de 1929, para uma economia desenvolvida e industrializada.
Aliás, a palavra industrialização estava na ordem do dia e os esforços ao longo do período de 1930 a 1980 visavam à construção de um parque industrialmoderno que possibilitasse projetar o País como potência no cenário mundial.
A construção de gigantescas estatais como a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Petróleo do Brasil S/A (Petrobrás), Companhia Vale do Rio Doce, além de instituições relevantes como o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), aliada à significativa atração de investimento estrangeiro direto,principalmente nas décadas de 50 e 60, possibilitaram a constituição gradual dos setores industriais na economia iniciando pela indústria tradicional (alimentos e têxtil), evoluindo para os setores produtores de bens intermediários (insumos e matérias-primas básicas), bens de capital (máquinas e equipamentos) e bens de consumo duráveis (eletrodomésticos e automóveis).
Ao mesmo tempo em que a industrializaçãoavançava o País crescia. Os setores industriais se ampliaram e se diversificaram e a infraestrutura deu um salto significativo.
No entanto, no período atual, percebe-se uma reversão dessa trajetória. Especialmente a partir da década de 1990, grandes impasses estão se impondo à expansão do setor industrial.
Trata-se das políticas macroeconômicas adotadas, dentre as quais se destaca a taxa dejuros alta, o câmbio valorizado que desestimula as exportações brasileiras, o elevado grau de abertura comercial e financeira, que está acarretando prejuízos ao setor produtivo, contribuindo com o baixo crescimento e a geração de empregos em quantidade e em qualidade inferior às necessidades da população.
Entre 1980 e 1998, a participação do PIB industrial no PIB total da economia brasileira teveuma perda de mais de 50%, registrando, em 2009, 25% do PIB, enquanto em países como China e Rússia a indústria representa, respectivamente, 47% e 37% do PIB.
Essa redução da participação da indústria no PIB tem sido acompanhada por diversos aspectos negativos, dentre eles a deterioração do saldo da balança comercial (diferença entre o total das exportações e importações do País) e demodificações qualitativas na pauta de produtos exportados, observando-se a redução das exportações de produtos de maior conteúdo tecnológico e o aumento dos produtos de menor valor agregado, especialmente das commodities.
Tal fato se configura em um retrocesso para o País, que avançou entre 1930 e 1980 e, no período recente está ingressando em uma trajetória regressiva. É possível constatar que a opção...
tracking img