Regencia Verbal e Nominal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1653 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de novembro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
Antonio Palioto




Trabalho de Portugues
Regencia Verbal e Nominal

Professora: Terezinha
Aluno: Erick Silva N- 13
Aluno: Gabriel da Mata Dias N- 17
Aluno: Guilherme Santile N- 21
Aluno: Isaque Victor N-


13/11/14
Conclusão

Nesse trabalho aprendemos que Regência Nominal é o nome da relação entre um substantivo, adjetivo ou advérbio transitivo e seu respectivo complementonominal. Essa relação é intermediada por uma preposição.
No estudo da regência nominal, deve-se levar em conta que muitos nomes seguem exatamente o mesmo regime dos verbos correspondentes.
Conhecer o regime de um verbo significa, nesses casos, conhecer o regime dos nomes cognatos e que O estudo da regência verbal nos ajuda a escrever melhor.
Quanto à regência verbal, os verbos podem ser:Transitivel direto, Transitivel Indireto, Transitivel Direto e Indireto e Indireto
E a regência de um verbo é determinada pela relação do mesmo com seu complemento.
Logo, o verbo é o termo regente e o complemento é o termo regido. Observe:
Exemplos: Joana assistiu um paciente no hospital onde trabalha.
Joana assistiu ao jogo da seleção brasileira.
Observe que na primeira oração o verbo assistir étransitivo direto, ou seja, exige complemento (objeto direto) e tem significado aproximado de “prestar assistência”.
Já na segunda oração o verbo “assistir” é transitivo indireto, ou seja, exige complemento, porém precedido de preposição e significa “ver”.
Reger é determinar a flexão de um termo, que neste caso é o complemento, já que o verbo é o termo regente.
Há uma dependência sintática entreregente (verbo) e termo regido (complemento), uma vez que o último completa o sentido do primeiro. Veja:



Bibliografia

http://www.infoescola.com/portugues/regencia-verbal/ http://www.brasilescola.com/gramatica/regencia-nominal.htm
























Capitu: "criatura de 14 anos, alta, forte e cheia, apertada em umvestido de chita, meio desbotado. Os cabelos grossos, feitos em duas tranças, com as pontas atadas uma à outra, à moda do tempo,... morena, olhos claros e grandes, nariz reto e comprido, tinha a boca fina e o queixo largo... calçava sapatos de duraque, rasos e velhos, a que ela mesma dera alguns pontos". Personagem que tem o poder de surpreender: "Fiquei aturdido. Capitu gostava tanto de minha mãe, eminha mãe dela, que eu não podia entender tamanha explosão". Segundo José Dias, Capitu possuía "olhos de cigana oblíqua e dissimulada", mas para Bentinho os olhos pareciam "olhos de ressaca"; "Traziam não sei que fluido misterioso e energético, uma força que arrastava para dentro, com a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca". A personagem nos é pintada leviana, fútil, a que desde pequenasó pensa em vestidos e penteados, a que tinha ambições de grandeza e luxo. Foi comparada, certa vez pela crítica, como a aranha que devora o macho depois de fecundada. Inteligente, prática, de personalidade forte e marcante (ela era muito mais mulher do que Bentinho, homem), Capitu acaba se tomando a dona do romance: forma, inicialmente, com o narrador, um “duo terníssimo” e, depois, possa aconstituir o centro do drama do protagonista masculino, com a entrada em cena de Escobar (“trio") e de Ezequiel (“quattuor”).
Bentinho: também protagonista, que ocupa uma postura de anti-herói. Não pretendia ser padre como determinara sua mãe, mas tencionava casar-se com Capitu, sua amiga de infância. Um fato interessante é que os planos, para não entrar no seminário, eram sempre elaborados porCapitu. É o narrador e pseudo-autor da obra. Na velhice, momento da narração, era um homem fechado, solitário e triste. As lembranças de um passado triste e doloroso tornaram-no um indivíduo de poucos amigos. Desde menino, foi sempre mimado pela mãe, pelo tio Cosme, por prima Justina e pelo agregado José Dias. Essa super-proteção tornou-o um indivíduo inseguro e dependente, incapaz de tomar decisões...
tracking img