Refletindo sobre a ortografia no ensino fundamental

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2303 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 29 de julho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
REFLETINDO SOBRE ORTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

Luciana Formolo Samoro[1]
Orientadoras: Inês Bueno Krahe[2]
Sônia Regina da Luz Matos[3]

RESUMO

A melhor maneira de ensinar ortografia e como trabalhar a partir do erro ortográfico no ensino fundamental, sempre foi motivo de discussões na maioria das escolas de ensino fundamental. Estas por estarem sempre envolvidas e preocupadas emcorrigir erros gramaticais, alegam que os alunos precisam saber usar a ortografia oficial para não sofrerem preconceitos da própria sociedade, que zela pela linguagem padrão. A questão é que não podemos julgar uma pessoa pela forma com que fala ou escreve, devemos sim problematizar se houver um erro em si, mostrando a linguagem formal adequada, mas com cuidado para não desestimular nossos escritores,atrelando-o apenas às questões formais da língua. Como referência para este estudo, observei produções de meus alunos, na 3ª série do ensino fundamental. E o questionamento continua: Diante de tantos erros, o que seria o mais interessante para o professor fazer neste processo contínuo de compreensão da ortografia?

PALAVRAS-CHAVE: ortografia, erros, reflexão, aprendizagem.

A ortografia alémdos componentes curriculares

Acredito ser importante os alunos escreverem de forma correta, pois além de estimular o aprendizado da língua padrão do país, deixam todos muito mais confiantes ao se expressarem por escrito. Isto também quer dizer que os professores não devem ficar parados esperando o momento certo para ensinar ortografia, mas é papel do professor ajudar e auxiliarcontinuamente a criança a refletir sobre seus erros ortográficos.
Evidencio que o professor precisa direcionar para a prática pedagógica diária, as “falhas” na escrita produzida pela criança e analisá-las, compreendendo que elas fazem parte do processo de construção da aprendizagem.
Entendo que a alfabetização e a ortografia não podem andar separadas, são aprendizagens em processo contínuo eque as crianças não aprendem só o que o professor lhes ensina.
Algumas das dificuldades que os alunos apresentam poderiam ser resolvidas se a escola, ao invés de preocupar-se somente com o ensino de componentes curriculares, não utilizasse como estratégia pedagógica a descrição e a classificação de palavras isoladas. A partir disso, tudo é concentrado em dígrafos, encontros vocálicos econsonantais e em atividades que envolvem cópia e treino de palavras. O professor pode até pensar estar ensinando ortografia, mas os resultados não vem sendo nada satisfatórios, pois os alunos apenas memorizam as instruções sem compreenderem o sentido do que está sendo proposto.

A ortografia na busca do significado

Vygotski (1984) salienta que toda aprendizagem deve ter significado, para acriança sentir a necessidade de querer internalizar o que é relevante para ela. Para ocorrer uma aprendizagem da linguagem escrita e uma melhor exposição de idéias, pensamentos, opiniões e sentimentos do indivíduo é importantíssimo o ato da leitura e da escrita.
Ensinar ortografia é muito mais que saber um conjunto de regras para descrever a língua padrão. Para compreender a ortografia, astarefas devem ser de reflexão sobre a linguagem em duas modalidades: escrita e falada. Por isso que todo ensino voltado a memorização, sem significado, é vazio e insignificante.
O processo de alfabetização de uma criança depende muito mais do professor e da metodologia que ele utiliza, do que propriamente da criança. A descrição psicogenética da alfabetização inicial permitiu diferenciardois processos que na prática da escola apareciam como indiferenciados: a alfabetização e a ortografia pós-alfabetização. Para a vida escolar dos que falam dialetos, por exemplo, essa compreensão é fundamental, pois a escola ainda está convencida de que os erros de ortografia estariam relacionados ao seu modo de falar, estigmatizando-o. Mas nossas experiências de sala de aula nos mostram que não...
tracking img