Redes mpls

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1738 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Instituto Nacional de Telecomunicações

Sumário:
1.

INTRODUÇÃO

2.

O QUE SÃO REDES MPLS

2

3.

COMPARAÇÃO ENTRE REDE MPLS E REDE IP TRADICIONAL

2

4.

FUNCIONAMENTO BÁSICO

2

5.

VANTAGENS DO MPLS

4

6.

RÓTULOS

5

7.

DISTRIBUIÇÃO DE RÓTULOS

6

8.

INTEROPERABILIDADE ENTRE PROTOCOLOS

6

9.

APLICAÇÕES

7

10.

CONCLUSÃO

711.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

7

1

Instituto Nacional de Telecomunicações

1.

Introdução:

O trabalho consiste em conhecer redes MPLS, conhecer o que é MPLS, saber
suas aplicações, suas vantagens, seu funcionamento e também conhecer sua principal
diferença em relação às redes IP’s tradicionais.

2.

O que é MPLS

O Multiprotocol Label Switching ou apenas MPLS é um protocolode roteamento
baseado em pacotes rotulados, onde cada rótulo representa um índice na tabela de
roteamento do próximo roteador. Pacotes com o mesmo rótulo e mesma classe de
serviço são indistinguíveis entre si e por isso recebem o mesmo tipo de tratamento.
O objetivo de uma rede MPLS não é o de se conectar diretamente a sistemas finais.
Ao invés disto ela é uma rede de trânsito, transportandopacotes entre pontos de entrada
e saída.
Chamado de multiprotocolo, porque pode ser usado com qualquer protocolo da
camada 3, apesar de quase todo o foco estar voltado no uso do MPLS com o IP.
Este protocolo é na verdade um padrão que foi feito com base em diversas
tecnologias similares desenvolvidas por diferentes fabricantes. Ele é referido por
documentos do Internet Engineering TaskForce (IETF) como sendo uma camada
intermediária entre as camadas 2 e 3, fazendo com que estas se “encaixem” melhor.

3.

Comparação entre rede MPLS e rede IP tradicional:

A rede IP tradicional faz o roteamento de pacotes após verificar o cabeçalho de cada
pacote na camada 3, já a rede MPLS faz o roteamento com base nos rótulos atribuídos a
cada pacote na camada 2.

4.

Funcionamento:Quando um pacote vai de um roteador para outro através de um protocolo de rede
sem conexão, cada roteador analisa este pacote e toma decisões independentes sobre
para onde enviar o pacote. Isto significa que cada roteador analisa o cabeçalho e roda o
seu próprio algoritmo de roteamento.
Porém os cabeçalhos dos pacotes contém muito mais informação do que é preciso
para se determinar para ondeserá o próximo salto (hop).
A tarefa de rotear um pacote através de determinada rede pode no entanto ser
separada em duas operações diferentes. A primeira seria a de determinar Classes de
Encaminhamento Equivalentes (Fowarding Equivalence Class – FEC) que seriam
todas as possibilidades de encaminhamento de um pacote através da rede. A segunda
correlaciona cada CEE (FEC) com um próximo salto.Cada CEE é relacionada a um LSP (Label Switch Path). Os LSP são caminhos
determinados dentro da nuvem MPLS. Uma CEE pode ser associada a mais de um LSP,
porém com todos apresentando mesma origem e mesmo destino.

2

Instituto Nacional de Telecomunicações

Figura 1
Se fizermos uma analogia, no roteamento convencional cada roteador da rede irá
associar dois pacotes a uma mesma CEE seexiste em sua tabela de roteamento um
prefixo de endereço X que seja o maior casamento (longest match) com o endereço de
destino de cada pacote.
No MPLS a associação do pacote com uma determinada CEE é feita apenas uma
vez quando o pacote entra na rede através do LER (Label Edge Router)

Figura 2
Nos saltos subsequentes não há nenhuma análise do cabeçalho da camada de rede
do pacote. A cadaRoteador Comutador de Rótulos (Label Switch Router – LSR )
pelo qual o pacote passa, os rótulos são trocados pois cada rótulo representa um índice
na tabela de encaminhamento do próximo roteador. Sendo assim, quando um pacote
rotulado chega, o roteador procura em sua NHLFE pelo índice representado pelo rótulo.
Ao encontrar este índice o roteador substitui o rótulo de entrada por um rótulo de...
tracking img