Redes de computadores

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 107 (26599 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Vantagens Estratégicas do Software Livre para o Ambiente Corporativo

Nelson Corrêa de Toledo Ferraz Orientador: Geraldo Coen

Monografia apresentada para a conclusão de curso Master Business Information Systems

MBIS / PUC-SP

São Paulo / 2002

Nelson Corrêa de Toledo Ferraz

MBIS / PUC-SP

Q

P D 8 4 '  H & ¥  &  & D ¥ £ ! B @ 8 & ¡ 7 ! 4  ¡ 0 & ' & $  ¡ ! ¥ ¥    £ © §¥ £ ¡ FI¦¢A  (1 !6 ¡ G7 FE© ¦© ¨CA9¡  15©  6 ¨5© ¤3 ¥2 1)(¨%¨# "§  ¡ ¨¨¡ ¦¤¢ 

A cada ano que passa, o software livre ganha mais força, movido pela paixão de milhares de desenvolvedores e milhões de usuários que acreditam em uma ética segundo a qual o conhecimento não deve permanecer oculto, mas ser compartilhado. Este trabalho tem como objetivo mostrar, através de estudos decasos, que o software livre é uma fonte de vantagem estratégica para as empresas, trazendo benefícios práticos, independentemente de posições filosóficas ou princípios morais. O trabalho começa apresentando alguns conceitos fundamentais relacionados ao tema, conta um pouco da história do software, e passa a apresentar os casos que servirão para demonstrar que as vantagens estratégicas oferecidaspelo software livre são um padrão constante, e não apenas casos isolados. Tentaremos também rebater algumas críticas, que sob a luz dos casos apresentados se revelarão como simples mitos1.

1 Ou parte de uma estratégia para disseminar medo, incerteza e dúvida (Fear, Uncertainity, Doubt – FUD): http://www.geocities.com/SiliconValley/Hills/9267/fuddef.html

Nelson Corrêa de Toledo Ferraz

MBIS /PUC-SP

Q

P D 8 4 '  H & ¥  &  & D ¥ £ ! B @ 8 & ¡ 7 ! 4  ¡ 0 & ' & $  ¡ ! ¥ ¥    £ © § ¥ £ ¡ FI¦¢A  (1 !6 ¡ G7 FE© ¦© ¨CA9¡  15©  6 ¨5© ¤3 ¥2 1)(¨%¨# "§  ¡ ¨¨¡ ¦¤¢  c q i g srphfdb`XVTR e c a Y W U S

Concluiremos com uma visão do que ainda precisa ser feito e como a comunidade deve direcionar seus esforços para que o software livre torne-se uma opção cada vezmais viável para o ambiente corporativo. Este trabalho está disponível sob a Licença de Documentação Livre GNU (GNU FDL)2, oferecendo liberdade de leitura e distribuição, em qualquer meio, com ou sem modificações. Com isso temos o objetivo de disseminar a informação - que vale mais quando é compartilhada, e não quando permanece restrita. Caso você encontre qualquer imprecisão, ou queira incluir maisinformações sobre qualquer assunto abordado, envie seus comentários para a lista de discussão3.

A Free Software Foundation define software livre como aquele “que vem com permissão para qualquer um copiar, usar e distribuir, com ou sem modificações, gratuitamente ou por um preço. Em particular, isso significa que o código-fonte deve estar disponível.”4.

2 GNU Free Documentation Licensehttp://www.gnu.org/licenses/fdl.html 3 http://listas.softwarelivre.org/cgi-bin/mailman/listinfo/estrategia 4 Categorias de Softwares Livres e Não-Livres http://www.gnu.org/philosophy/categories.pt.html

Nelson Corrêa de Toledo Ferraz

MBIS / PUC-SP

Q

P D 8 4 '  H & ¥  &  & D ¥ £ ! B @ 8 & ¡ 7 ! 4  ¡ 0 & ' & $  ¡ ! ¥ ¥    £ © § ¥ £ ¡ FI¦¢A  (1 !6 ¡ G7 FE© ¦© ¨CA9¡  15©  6 ¨5©¤3 ¥2 1)(¨%¨# "§  ¡ ¨¨¡ ¦¤¢  d S a Y W U S Icb`XVTR

Curiosamente houve uma época em que essas características foram a regra, e não a exceção. Entre os anos 50 e 60, por exemplo, praticamente ninguém considerava a hipótese de “vender” softwares. O motivo era simples: haviam tão poucos computadores no mundo, que o valor real estava na máquina em si, e não nos programas, que eramdistribuídos gratuitamente, melhorados e compartilhados. Essa foi a época dos computadores de milhões de dólares, que ocupavam salas inteiras, dos cartões perfurados, e dos primeiros hackers5. A década de 70 viu o surgimento de diversas tecnologias que formam a base da chamada Era da Informação: o microprocessador, a fibra ótica, o protocolo TCP/IP e, finalmente, o microcomputador6. O microcomputador,...
tracking img