Realismo em portugal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1351 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 19 de setembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Realismo em Portugal


e no Brasil

















Nomes: Kamylla Soares,Bem-Hur Storch Grigoleto,Karina Nogueira e Michele Abreu








Realismo em Portugal

Origem

A partir de 1860, uma reviravolta intelectual portuguesa: o Romantismo está agonizante. Coimbra é a trincheira de jovens revolucionários influênciados pelas idéias deProudhon, Quinet, Taine, Renan, etc. Em 1861, Antero de Quental funda a Sociedade do Raio e em 1865 edita Odes Modernas. Na Obra de Pinheiro Chagas, Poema da Mocidade (1865), Castilho faz um posfácio onde critica os jovens da geração de 60: "muito há que eu me pergunto a mim donde proviria esta enfermidade que hoje grassa por tantos espíritos, de que até alguns dos mais robustos adoecem, que faz com que aliteratura e em particular a poesia ande marasmada, com fastio de morte á verdade e a simplicidade..."
Como resposta, Antero publica uma carta aberta a Castilho, denominada "Bom-senso e Bom gosto", onde rebate as crítica do mestre romântico ("Levanto-me quando os cabelos brancos de V.Ex a passam diante de mim. Mas o travesso o cérebro que está debaixo e as garridas e pequininas cousas quesaem dele confesso não merecerem, nem admiração, nem respeito, nem ainda estima. A futilidade num velho desgosta-me tanto com a gravidade numa criança V.Ex a precisa menos cinqüenta anos de idade, ou então mais cinqüenta de reflexão."). Estava iniciada a Questão Coimbrã, ou Bom senso e Bom gosto.
Essa querela entre antigos e novos vai até o ano 1871, quando acontecem as Conferências do Casino,uma tentativa de revolucionar, transformar a sociedade portuguesa e elevar Portugal ao mesmo nível das potencias européias, onde, entre outras coisas, apregoa-se uma reforma, uma transformação política, econômica, social e religiosa da sociedade portuguesa.
Eça de Queiroz, que tinha participado apenas como espetador nas polêmicas da Questão Coimbrã, desta vez se coloca no centro da diatribedefendendo o Realismo (o pomo da discórdia entre os defensores do romantismo e do ultra-romantismo e a Geração de 70). Sob a influência do Cenáculo e de Antero, Eça aproximou-se das teorias de Taine e dos postulados estético-sociais de Proudhon, atacando fortemente o estado da literatura portuguesa (que considera decadente) e propondo uma arte que correspondesse ao espírito dos tempos, actuassecomo regeneradora do corpo social e da sua consciência, banisse o que era falsidade e pintasse a realidade tal como ela é. Alguns exemplos são Coubert na pintura e Flaubert na literatura com a obra Madame Bovary.
Eça renega assim a arte pela arte e põe a literatura ao serviço da sociedade e do aperfeiçoamento da humanidade, posicionando-se consciente ou inconscientemente dentro do Naturalismo.Características

            Distanciamento do narrador,valoriza o que se é,crítica direta,objetividade,textos, às vezes, sem censura,imagens sem fantasias,reais,aversão ao Amor platônico,mistura de épico e lírico nos textos,cosmopolita,positivismo,determinismo e darwinismo.
Autores que se destacaram

Eça de Queirós

José Maria Eça de Queirós nasceu a 25 de Novembro de 1845 numacasa da Praça do Almada na Póvoa de Varzim, no centro administrativo da cidade; foi baptizado na Igreja Matriz de Vila do Conde . Filho de José Maria Teixeira de Queirós e de Carolina Augusta Pereira d'Eça.
Com 16 anos foi para Coimbra estudar Direito, tendo aí sido amigo de Antero de Quental. Seus primeiros trabalhos, publicados como um folhetão na revista "Gazeta de Portugal", apareceram comocolecção, publicada depois da sua morte sob o título Prosas Bárbaras. Em 1869 e 1870, Eça de Queirós viajou ao Egipto e visitou o canal do Suez que estava sendo construído, o que inspirou diversos de seus trabalhos, o mais notável dos quais o Mistério da estrada de Sintra, de 1870, e A relíquia, apenas publicado em 1887. Em 1871 foi um dos participantes das chamadas Conferências do Casino....
tracking img