Rdc 210 2003

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2356 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Paciente Diabético
FEF – Fundação Educacional de Fernandópolis
Prof. MSc. Roney Eduardo Zaparoli

Introdução
DM  alta prevalência no Brasil
 Complicações crônicas vasculares e
neurológicas


Qualidade de vida baixa
 Consultas e procedimentos médicos (aumento)


Tendência de aumento em sua prevalência
 Brasil  + de 5 milhões de diabéticos




Mais da metadedesconhece o diagnóstico





Segunda doença crônica mais comum na infância e
adolescência
Gravidez







Acomete igualmente homens e mulheres
Aumenta com a idade
Altos índices de morbi/mortalidade





Complicações materno-fetais

4ª causa de morte no Brasil

Discriminação no acesso ao trabalho e planos de saúde
Considerável encargo econômico (doença nãocontrolada)

Maior parte dos custos  complicações

Classificação do Diabetes


IDDM – Diabetes Melito Insulinodependentes
Diabetes juvenil ou tipo 1
 Destruição imunológica das células beta
 Geralmente acomete jovens e magros
 Início do quadro abrupto
 Tendência a cetoacidose
 Absoluta dependência de insulina exógena
 Cerca de 5% dos casos de DM




NIDDM – Diabetes MelitoNãoInsulinodependente
Tipo 2
 Não depende da administração de insulina
exógena
 Dieta e antidiabéticos orais
 Condições de estresse e passar dos anos






Administração de insulina pode se fazer necessário

90% dos casos de DM



MNDM – Diabetes Melito relacionado à má
nutrição


Indivíduos jovens com histórico de desnutrição

PDPD – Diabetes Pancreático porDeficiência de
Proteína
 FCPD – Diabetes Pancreático Fibrocalculoso





Fibrose e calcificações pancreáticas
Tendem desaparecer com o desenvolvimento
socioeconômico

 IGT

– Tolerância Diminuída à Glicose

Glicemias entre o normal e o DM declarado
 Obtidas durante o teste de tolerância à
glicose
 Pode evoluir ao DM, permanecer imutável
ou reverter ao normal
 Risco deapresentar doença aterosclerótica


 DM


Gestacional

Intolerância a carboidratos de intensidade
variável


DM ou tolerância à glicose diminuída

Diagnosticado pela 1ª vez durante a
gestação
 Pode ou não persistir durante o parto


Diagnóstico
Presença de alguma das seguintes
condições (OMS – 1979):
 Sintomas evidentes de DM e glicemia
plasmática venosa de jejummaior ou
igual a 140mg/dL ou em determinações
realizadas a qualquer momento do dia
maior ou igual a 200mg/dL

 Sintomas

clínicos, mas com glicemia
plasmática venosa de jejum maior ou igual a
140mg/dL, confirmada em duas ou mais
ocasiões
 Glicemia venosa de jejum menor que
140mg/dL, mas com fatores de risco de DM
e que também apresentam glicemia maior ou
igual a 200mg/dL duas horasapós sobrecarga
oral com 75g de glicose anidra

 IGT

– Glicemias plasmáticas venosas
entre 140 e 199mg/dL duas horas após
sobrecarga oral com 75g de glicose
 Crianças: mesmos critérios, mas o GTT
(teste oral de tolerância à glicose) deve
ser realizado com 1,75g de glicose/Kg de
peso, até a dose máxima de 75g

 Não

devem ser utilizadas como critérios
diagnósticos de DM osvalores de
hemoglobina glicosilada, frutosamina,
peptídio-C ou glicemia pós-prandial
 Fitas reagentes de glicemia não se presta
para diagnóstico e sim para o
rastreamento de DM

Prevenção
 Ações

para evitar o aparecimento
(prevenção primária) ou a sua progressão
 Medidas revisadas periodicamente e
adaptadas ao meio e aos recursos
disponíveis
 Não há medidas eficazes queprevinam a
incidência do DM tipo 1



DM tipo 2:


Populacional




Aplicação de medidas, destinadas a modificar o estilo de
vida e as características socioambientais. Ex: obesidade
e sedentarismo.

De alto risco


Ações como educação em saúde, prevenção e correção
da obesidade, estímulo à prática de atividade física e
precaução na indicação de medicamentos
diabetogênicos...
tracking img