Raio de luz entrevista

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4473 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Entrevista: Dr. José Maria Nascimento Pereira
Revista Raio de Luz, ed. 115, dezembro de 1999.

Religiosidade pseudocristã
Desvios e alterações do comportamento religioso individual,
em meio às comunidades cristãs

Em 1974, aos quarenta e cinco anos de idade, o bem sucedido psiquiatra, escritor e professor na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará, começou a ler aBíblia Sagrada e teve radical transformação na sua vida pessoal, no seu relacionamento com Deus e no seu exercício profissional. Desde então, convertido ao Senhor Jesus Cristo e membro atuante da Igreja, o Dr. José Maria Nascimento Pereira tem ajudado, com o aconselhamento bíblico, milhares de pessoas sinceras que buscam resolver seus conflitos religiosos. Durante esse tempo, ele tem observado traçosde uma religiosidade que poderia ser reconhecida como pseudocristã em pessoas do meio cristão que buscam ajuda em aconselhamento bíblico – “alguns perfis de religiosidade individual com uma feição muito distante da que é praticada pelos cristãos evangélicos”. Escuta inúmeras queixas e comentários sobre as dificuldades para uma integração natural com os demais irmãos na fé, os problemas deconsciência e fraqueza de caráter. "Estão sempre a declarar um permanente sentimento de frustração por não viverem plenamente um estilo de vida cristã desejável. Ao mesmo tempo que relatam sua participação efetiva nos programas da congregação, expressam certo desalento espiritual, acompanhado de perplexidade e inquietação. Com a continuidade das entrevistas, começam a despontar os assuntos teológicosambíguos, por falta de entendimento ou por desconhecimento das Escrituras.
Conforme observou este psiquiatra cristão, essas pessoas atendidas no ministério de aconselhamento eram, na imensa maioria, portadoras de personalidades que dificultavam uma integração natural na sua congregação, por se dizerem elas mesmas inibidas, com baixa auto-estima, desconfiadas, tímidas e com dificuldades nosrelacionamentos interpessoais. Nessa espécie de isolamento involuntário, segundo as circunstâncias peculiares, essas pessoas tiveram de se arranjar sozinhas, mesmo cercadas de irmãos de fé. Devido a esses vários componentes, foram-se estruturando diferentes posições doutrinárias e cristalizando-se diferentes atitudes espirituais, até atingir o estilo pseudocristão. Entretanto, em sua maioria, seconsideram crentes no Senhor Jesus, sendo membros assíduos e participantes de igrejas evangélicas. Estudando-se a estruturação do caráter religioso dessas pessoas, vinham à tona diversos elementos não-cristãos, antagónicos ao ensino bíblico, ainda que a fachada ou o rótulo continuassem como cristãos. Torna-se evidente a influência crucial desses paradoxos sobre esses conflitos espirituais gerados porvárias contradições entre os principais fundamentos bíblicos. Em alguns casos, inclusive, é notada uma ausência do milagre divino conhecido como “novo nascimento” – sabe-se que tornar-se cristão requer profundas mudanças, desde o ter uma nova natureza até um novo viver.
A Palavra de Deus não gera cristãos híbridos nem mestiços. Ao contrário, os cristãos são novas criaturas, regenerados desemente incorruptível (Jo 3.16; 1Pd 1.23; 2Co 5.17; Cl 6.15; Ef 4.24; Rm 6.4). No entanto, mesmo o cristão renascido pode apresentar resquícios do chamado velho homem (Rm 6.6; Cl 3.9). Se essa pessoa tem a oportunidade, numa relação de ajuda, de dissecar toda essa estrutura, avaliando criteriosamente cada um de seus componentes, é possível a retirada dos bloqueios que se foram encravando em sua alma eque, por tanto tempo, frustraram seus ideais de viver uma religiosidade saudável.
Hoje, aos setenta anos de idade, o Dr. José Maria partilha com os leitores da RAIO DE LUZ um pouco do seu aprendizado para discernimento da espiritualidade e para a busca da saúde da vida cristã.
Segue a entrevista que ele concedeu à editora da RAIO DE LUZ:

O senhor poderia definir, de forma...
tracking img