Radiologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1193 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Escola Técnica Em Saúde Maria Pastor
Curso Técnico Em Enfermagem

Alunos: Aniele Silva, Ana Karina Pôrto, Ariane Pôrto,Eliane Brito, Michelle Sousa e Priscila Souza.

Assistência de enfermagem no Pré, Intra e Pós Parto Normal e Cesariano.

Salvador-BA
2013

Assistência de enfermagem no Parto Normal e Cesariano

Avaliação Inicial Parto Normal
* Fase latente de trabalho de parto* Contrações dolorosas e irregulares
Amolecimento e apagamento do colo uterino, porém com velocidade de dilatação menor que 1,0 cm/h até os 3 cm
Fase latente prolongada –contrações regulares e dolorosas sem alcançar 3 – 4cm
* + de 12 horas (20h) nas primíparas
* + de 6 horas (16h) nas multiparas
* Fase ativa – contrações dolorosas e regulares, com velocidade de dilatação >a 1,0 cm/h
* Diagnóstico de trabalho de parto
* Contrações regulares a cada 3 a 5 minutos
* Colo fino e apagado com dilatação > a 3cm

Assistência no primeiro período

Pré-parto
* Exames
• Realização do exame VDRL para todas as gestantes internadas (parto ou aborto)
• Realização do teste rápido do HIV para as gestantes com exame anterior a mais de 3 meses
* Controlede sinais vitais maternos (freqüência cardíaca, pressão arterial e temperatura) no momento da admissão e a cada 60 minutos.
Realização de enema glicerinado: não deve ser realizado de rotina, pois não se mostrou capaz de reduzir infecção materna ou fetal e traz desconforto á paciente
* Tricotomia: não diminui a morbidade materna e aumento o risco de contaminação do RN por HIV e Hepatite C.* Punção venosa e infusão de líquidos: não deve ser rotineiramente empregada, uma vez que cerca de 80% das pacientes admitidas em TP terão tido parto dentro de 8 horas.
* Dieta: na fase ativa do trabalho de parto, os alimentos sólidos devem ser suspensos, sendo permitido, para as gestantes de baixo risco, a ingestão de líquidos (água, suco de frutos sem polpa, chá, café, refrigerante).
*As gestantes de maior risco para procedimento anestésicos (obesas, diabéticas, com vias aéreas de difícil acesso) ou para parto cirúrgico devem permanecer em jejum durante todo o trabalho de parto, evitando-se inclusive a ingestão de líquidos.
* Higiene da parturiente: Durante o trabalho de parto, a gestante perde secreções pela vagina e frequentemente apresenta sudorese, devendo serestimulada a se higienizar.
* Além disso, a sensação de relaxamento físico e mental após um banho pode contribuir para o bem estar das gestantes.
* Posição de parturiente: Salvo raras exceções, a parturiente não deve ser obrigada a permanecer no leito. Deambular, sentar e deitar são condições que a gestante pode adotar no trabalho de parto de acordo com a sua preferência.
* Partograma
*Toques vaginais: a cada hora nas primeiras três horas, e a cada 2 horas no período subsequente.
* Uso de ocitocina: Diluir 10 U em 100 ml de SG5% em bomba de infusão.
* Suspender: Mais de 5 contrações em 10 min, contrações com duração maior que 1min, desaceleração nos BCfs

Assistência ao segundo período
* Orientar a parturiente de todos os procedimentos a serem realizados;
*Providenciar materiais necessários aos exames e procedimentos, como: luvas, lubrificantes, estetoscópio de Pinard ou sonar, amniótico, etc.
* Avaliar regularmente os BCFs. Os BFCs diminuem quando coincidem com a intensidade máxima das contrações. BCFs abaixo de 100 bpm podem iObservar a dinâmica uterina;
* Manter a higiene corporal da parturiente;
* Orientar a parturiente para que relaxee respire profunda e pausadamente nos intervalos das contrações;
* Manter a parturiente, preferencialmente, em DLE.
* Estar atento às infusões venosas.
* Indicação de sofrimento fetal.

Sala de parto
* Posicionar paciente: para a maioria das pacientes decúbito dorsal com mesa de parto verticalizada ao máximo e flexão e abdução dos membros superiores ou, se desejado, cócoras....
tracking img