Radiestesia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 70 (17387 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Fábrica das Letras Editora Ltda.
Rua Humberto I, 612 - Vila Mariana - São Paulo - SP
CEP 04018-031 - Fonefax: (Oxx11 ) 5081-4221
www.fdl.com.br - e-mail: editora@fdl.com.br

ISBN n.° 85-88029-03-0

Editor Responsável: António Rodrigues

Todos os direitos reservados.
Nenhuma parte desta obra pode ser reproduzida
sem a permissão, por escrito, dos editores.

Copyright©2003 Fábrica dasLetras Editora Ltda.

António Rodrigues

Introdução
Instrumentos radiestésicos
A atitude mental e a prática radiestésica
Os testemunhos
Os gráficos
Escolha do pêndulo e ajuste do ponto de suspensão
Como desenvolver a habilidade radiestésica
O pêndulo Egípcio e seu ponto de suspensão
Pêndulo de Cone Virtual - como executar os nós
As duas maneiras de utilizar o pêndulo
Valorizandotestemunhos lexicais
Testemunhos e pêndulo testemunho
A régua biométrica
Diagnóstico de saúde
Tratamento a distância
Levantamento energético de um local
Síntese radiestésica
Capa - Orelha - O Autor - Contra-capa

Sumário

Hoje alçada à categoria de ciência, a radiestesia é uma prática
milenar criada pelo ser humano em vista da necessidade de descobrir o oculto. Até ao início do SéculoXX, era chamada de rabdomancia
e definia-se como uma prática empírica e também como mais uma
forma de advinhação.
Rabdomancia é uma palavra de origem grega (rhabdos, vara e
manteia, adivinhação), ou seja, adivinhação por meio da vara. Esta
era a antiga denominação da hoje chamada radiestesia. A
rabdomancia era usada na procura de fontes de água e jazidas
metalíferas e, por volta de 1688,passou a ser usada na procura de
criminosos.
Os chineses já usavam a rabdomancia dois mil anos antes de
nossa Era. Um baixo-relevo de madeira de 147 a.C. representa o imperador chinês Ta-Yu da dinastia Hsia, em 2205 a.C., que tinha a
reputação de ser um dos maiores prospectores de água da Antiguidade, segurando um instrumento parecido com um diapasão. A legenda que acompanha a figura diz-nos oseguinte: "Yu, da dinastia
Hsia, foi célebre por seus conhecimentos sobre as correntes subterrâneas e fontes de água; conhecia igualmente o princípio Yin e, se
necessário, construía barragens".
No Egito, foram descobertos objetos que apresentam uma
notável semelhança com os pêndulos utilizados nos dias de hoje;
inclusive um deles deu origem ao que é conhecido hoje como Pêndulo Egípcio, o qualserá objeto de uma explanação mais detalhada
num capítulo deste livro.

Introdução

Os romanos usaram uma vara em forma de cajado chamada

era comumente utilizada para a prática da rabdomancia. Durante as
invasões romanas, as legiões eram precedidas por portadores de
varetas cuja missão era encontrar as águas subterrâneas necessárias
para o consumo das tropas.
Do final do Império Romanoaté o início da Idade Média,
quase não se encontram referências quanto à prática da radiestesia.
Em 1518, Lutero condena o uso da vareta radiestésica por achar que
ela serve de intermediária para uma relação ilícita com o diabo.
Em 1521, a obra O Carro Triunfal do Antimônio, de Basile
Valentin, enumera sete qualidades de varetas que os mineiros austríacos utilizavam para descobrir as jazidasde carvão ou de minerais. Segundo Valentin, a vareta era para eles um instrumento tão
precioso que ficava mantida constantemente presa no cinto ou no
chapéu. O livro De Re Metalica, do alemão Georgius Agricola, publicado em 1556, faz o inventário do uso das varas radiestésicas para a
prospecção: aveleira para a prata, freixo para o cobre, pinheiro negro para o chumbo e o estanho e, ainda, avara de ferro para a pesquisa de ouro e prata.
Em 1693, Pierre le Lorrain, abade de Vallemont, publica
uma corajosa defesa da arte da rabdomancia intitulada A Física
Oculta, com o subtítulo Tratado da Vareta Divinatória e sua Utilização para a Descoberta de Fonte de Água, Jazidas de Metais, etc.
Contrário à teoria dos corpúsculos, ele propunha: "já que certas
pessoas são dotadas de uma...
tracking img