Racionalizaçao na pratica da assistência serviço social

No tema “Racionalização da prática da assistência”, percebe-se que desde a antiguidade, a prática da assistência social associava-se à noção de caridade. E como ajuda eram oferecidos bens materiaispara diminuir o sofrimento das pessoas necessitadas. Surgindo o cristianismo, a assistência passou não somente a ser vista como caridade, mas também como justiça social, pois a preocupação com a vidaespiritual de cada individuo também passou a ser importante.
Mesmo com a idéia de caridade, a prática da assistência tinha também a intenção de controlar a pobreza, perpetuar a servidão. AIgreja Católica aos poucos foi deixando de lado os pobres e se aliando aos burgueses, interessando-se somente nos capitais financeiros, vendendo até mesmo o perdão. Foi ai que Lutero, um importanteprotestante, apresentou 95 contestações às indulgências e ao perdão. Essa fase foi muito importante para a criação da Reforma Religiosa, na qual a Igreja foi dividida em catolicismo e protestantismo. Luteroqueria que fossem mantidas a caridade e a religiosidade, que aos poucos foram sendo esquecidas pelas cristãs da assistência. Assim, os esquemas das confrarias foram recuperados e os leigos seenvolveram em suas práticas.
A primeira proposta de prática para o Serviço Social surgiu no século XIX, criada pela Sociedade de Organização da Caridade, buscando a racionalização da assistência e areorganização da mesma em bases científicas. Em 1816 Jhon Brunnel Davis criou um Centro de Proteção à Infância, então percebe-se que a assistência aos poucos foi tomando seu espaço na sociedade, e como tempo, a higiene e a educação foram tornando-se atividades complementares da assistência, e no século XVIII foi criado o Ministério da Saúde Pública em Londres, proposta por Jeremy Bentham. Essacriação foi de extrema importância, pois levou as autoridades a se importarem com a questão de saúde dos trabalhadores, pois o índice de morbidade e mortalidade estavam diretamente relacionados com as...