Quilombos ou comunidades remanescentes de quilombo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3101 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
1. QUILOMBOS OU COMUNIDADES REMANESCENTES DE QUILOMBO: HISTÓRICO E O DEBATE ATUAL



O surgimento dos mocambos no Brasil data do século XVI, período que se consolidou a escravidão no país. Surge no século XVI e ganha força no século XVII, uma das maiores organizações de escravos negros foragidos do período escravista, denominado Mocambo de Palmares, que abrangia aproximadamente dois estadosbrasileiros, Alagoas e Pernambuco, sendo localizado na Serra da Barriga, atualmente divisa do Estado de Alagoas e Pernambuco. Esta expressão mocambo foi utilizada para denominar os locais onde os negros se reuniam para reivindicar e lutar contra o sistema brasileiro vigente.
O mocambo de Palmares resistiu e lutou durante um século contra as invasões e guerrilhas acontecidas na época, fazendouso de táticas de guerrilha e de ataques aos diversos engenhos. Este mocambo possuía um grande número de negros refugiados e se destacava pela sua organização militar, estrutura física e territorial, visão estratégica e ampla, além da sua invisibilidade no que tange à distância que ele possuía dos antigos engenhos.
A respeito do mocambo de Palmares, o governador Fernão de Souza Coutinho (1671)destaca:
[...] há alguns anos, que dos negros de Angola fugidos ao rigor do cativeiro e fábricas dos engenhos desta Capitania se formarão povoações numerosas pela terra dentro entre os Palmares e matos, cujas asperezas, e faltas de caminhos os têm mais fortificados por natureza, do que pudera ser por arte, e crescendo cada dia em número se adiantam tanto no atrevimento, que com contínuosroubos, e assaltos fazem despejar muita parte dos moradores desta capitania mais vizinhos aos seus mocambos, cujo exemplo, e conservação vai comandando cada dia aos mais que foge, por se livrar do rigoroso que padecem, e se verem com a liberdade lograda no fértil das terras, e segurança de suas habitações podendo-se temer que estas conveniências cresçam em poder de maneira que sendo tanto maior onúmero, pretendam atrever-se a tão poucos como são os moradores desta capitania a respeito dos seus cativos. [...] (COUTINHO, 1938, apud GOMES 2005, p. 72).

O mocambo de Palmares possuía aproximadamente 30 mil aquilombados e era dividido em vários mocambos, constituindo-se uma verdadeira fortaleza. Havia ali uma intensa organização militar e resistência contra as guerrilhas e emboscadas,configurando-se um verdadeiro processo de luta e resistência ao sistema escravista.
Ainda referindo-se ao mocambo de Palmares, Barleus (1980), afirma que:

[...] os palmares são povoações e comunidades de negros. Há dois desses quilombos: os Palmares grandes e os Palmares pequenos. Estes são escondidos no meio das matas, às margens do rio Gungoui, afluente do célebre Paraíba. Distam de Alagoas vinteléguas e da Paraíba para o norte, seis. (BARLEUS, 1980, apud GOMES, 2005, p. 62).

A partir do que foi explanado acima, é possível afirmar a ameaça que Palmares era para o sistema escravista. Palmares era referência para outros cativos da época, pois influenciava o processo de fuga dos engenhos em busca da liberdade, autonomia e desenvolvimento da organização política, econômica e cultural, dentroda perspectiva do resgate de sua ancestralidade, etnia e historicidade.
Sobre o termo utilizado no período da escravidão para denominar as comunidades de negros fugitivos no Brasil, Gomes (2005) expõe a mudança de nomenclatura nos séculos XVI ao XIX, período este que aconteceu as formações dessas comunidades, sendo mais intensa no século XIX.
[...] A palavra mocambo significava acampamentomilitar e também moradias para a maioria dos falantes das línguas bantu da África Central e Centro-Ocidental. No século XVII, a palavra quilombo referia-se a um ritual de iniciação de uma sociedade militar dos guerreiros dos povos imbangalas (chamados também jagas). Tais povos falantes do quimbundo realizaram uma expansão pelo interior angolano em territórios dos povos umbundos. E como prática...
tracking img