Quem não tem emelho ximba de forma formal

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2818 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
O DESENVOLVIMENTO E O JULGAMENTO MORAL HUMANO

“A criança e o adolescente são páginas em branco onde se inscrevem os princípios da vida, são uns barros moldáveis, uma argila de modelagem, que vai se transformar pela mão dos adultos na obra prima de um vaso artístico ou na figura grotesca de uma vasilha de excrementos”.

Roberto Giancaterino

Asocialização é o processo pelo quais os indivíduos adquirem padrões de comportamento que são valorizados pelo grupo e adequados para sua adaptação ao seu ambiente social. As raízes do vocábulo moral derivam do latim “mos”, “morus” ou “mores”, direcionam para no sentido de conjunto de normas ou regras adquiridas por hábito, reafirmando os ideais piagetianos. A moral acha-se intimamente relacionada com osatos conscientes e voluntários dos indivíduos que afetam outros indivíduos, determinados grupos sociais ou a sociedade em seu conjunto.

Discutir o tema moralidade implica em uma análise muito precisa das relações que o sujeito desenvolve com as outras pessoas, uma vez que, trata-se de um processo no qual a definição de regras é o limite caracterizado pela necessidade de manter o respeito comoconceito fundamental. Entretanto, a moral pouco se altera, a sociedade constrói suas próprias regras as quais mantêm características dos padrões anteriores. Diante dessa realidade emerge o sociologismo, gerado por condições sociais e não por fatores sociais. Os fenômenos morais podem ser entendidos como gerados por condições sociais e são conseqüências de sanções sociais sobre a conduta. Comocaracteriza Puig (1995), o indivíduo não é um ser livre, mas, submetido a um elemento externo, no qual o próprio deverá reconhecer como superior e digno de ser obedecido e respeitado. Existe então, uma série de conflitos gerados pelos dilemas morais internos ao indivíduo e que acabam por delinear a consciência humana.

Para Cória-Sabini (1986), o comportamento humano moral se orienta porgrupos de referência que mudam com o desenvolvimento do indivíduo. Nesse caso, a solidariedade e a cooperação entre indivíduos seriam a força motriz da moralidade. O que existe de concreto na visão de educadores e psicólogos é que nenhuma realidade moral é inata, o que significa haver uma exigência ao delinear uma disciplina normativa, sob a qual são desenvolvidas umas séries de relações coletivas.Puig (1995), relata que durante muito tempo, a religião assumiu o terreno educativo, baseado em uma cultura pedagógica de valores absolutos. Todavia trata-se de um período que já não possui raízes na atualidade, de modo que os valores morais passaram a ser reavaliado. Denota-se salientar que existe uma difícil relação entre moralidade e sujeito. À medida que o homem procura desvincular-se dosaspectos moralistas legados pela própria concepção de religião, uma nova abordagem caracteriza a questão da moral como sendo reflexo e submetida aos méritos da sociedade.

O ser humano é uma obra eternamente inacabada, em construção. O que somos agora serve apenas como base para aquilo que seremos amanhã. Cada nova experiência, boa ou ruim, acrescenta algo em nós, que pode nos ajudar ouatrapalhar, mas que de qualquer modo faz parte do que somos. Assim, torna-se emergente enfatizar que, conduzir-se moralmente é agir conforme certas normas estabelecidas pela sociedade. Justamente por isso a moral constitui-se um conjunto de regras definidas previamente e que determinam o modo de ser do homem.

Para uma melhor compreensão desta dicotomia é fundamental a análise da moralidadehumana enquanto concepção do campo sociológico e psicológico, sob a visão de pesquisadores que procuram encontrar respostas ao fenômeno imperativo (Puig, 1995).

Existem crianças que vivem uma vida dominada pela obediência às regras de outros, passando a desenvolver uma moralidade de obediência cega à autoridade. Este indivíduo pode ser facilmente conduzido por qualquer autoridade ou, em...
tracking img