Quem é Denis Sassou-Nguesso

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1822 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 18 de novembro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
A República Democrática do Congo (anteriormente Zaire), por vezes designada RDC, RD Congo, Congo-Kinshasa, Congo-Quinxasa4 ou Congo-Quinxassa para diferenciá-la do vizinho Congo (que também é chamado de República do Congo, Congo-Brazzaville ou Congo-Brazavile), tornou-se o segundo maior país de África, depois da Argélia, após a independência do Sudão do Sul. Confina a norte com a RepúblicaCentro-Africana e com o Sudão do Sul, a leste com Uganda, Ruanda, Burundi e a Tanzânia, a leste e a sul com a Zâmbia, a sul com Angola e a oeste com o Oceano Atlântico, com o enclave de Cabinda e com o Congo.1 A capital e maior cidade é Kinshasa.5

Com uma população de quase 70 milhões de habitantes,6 a República Democrática do Congo é o mais populoso país francófono, além de ser o décimo segundo paísmais extenso do mundo. Se tornou independente da Bélgica em 30 de junho de 1960,7 e está entre um dos países com os menores valores de PIB nominal per capita, à frente apenas do Burundi.8 9 Porém, o país é considerado o mais rico do mundo em questão de recursos naturais e recursos econômicos, estima-se que no valor de 24 trilhões de dólares (24 biliões de dólares em escala curta usada emPortugal).10 11 12 13
Mobutu estabeleceu uma ditadura personalista,20 tornando o país um estratégico aliado das potências capitalistas na África. No início dos anos 70 lançou sua política de "africanização", proibindo nomes ocidentais e cristãos. Como parte da campanha, mudou em 1971 o nome do país para Zaire e da capital para Kinshasa (anteriormente, Leopoldville).21 Ele próprio passou a chamar-seMobutu Sese Seko Koko Ngbendu wa za Banga, que significa "o todo-poderoso guerreiro que, por sua resistência e inabalável vontade de vencer, vai de conquista em conquista deixando fogo à sua passagem".21

A corrupção tornou-se algo comum a ponto de ser designada pelo próprio Mobutu como o "mal do Zaire".22 Líderes rivais uniram-se em 1988 para organizar a oposição, mas foram presos ou exilados.Pressões internacionais levaram Mobutu a adotar o pluripartidarismo em 1990. Em outubro de 1991, o líder oposicionista Etienne Tshisekedi foi nomeado como primeiro-ministro, mas recusou-se a prestar juramento a Mobutu e é substituído. Os Estados Unidos puseram em dúvida a legitimidade do governo e a Alemanha cortou a ajuda financeira ao país. Em dezembro, Mobutu cancelou as eleições. Tshisekedi foireconduzido ao cargo no ano seguinte. Em 1993, o Alto Conselho da República, criado pela conferência nacional, ordenou o desligamento de Mobutu dos negócios de Estado e convocou greve geral. Mobutu ignorou a resolução. No final do mês, o Exército amotinou-se quando ele tentou pagar os soldos com notas de 5 milhões de zaires (cerca de 2 dólares dos Estados Unidos), já recusadas em 1992 por não teremvalor. Mobutu responsabilizou Tshisekedi pela rebelião, que deixou mais de mil mortos, e nomeou um governo de união nacional. Estados Unidos e União Europeia não o reconheceram e apoiaram a instalação de um regime de transição formado pela aliança oposicionista liderada por Tshisekedi. Em junho de 1995, o período de transição foi prolongado por dois anos. Eleições gerais, previstas para o mêsseguinte, não se realizaram.

Em 1994, mais de 1 milhão de ruandeses (em sua maioria hutus) foragidos do genocídio em seu país ingressaram no leste do Zaire.23 A chegada dos refugiados desestabilizou a região, habitada há mais de 200 anos pelos tutsis baniamulenges, inimigos históricos dos hutus. Sentindo-se negligenciados por Mobutu, que tolerou a presença dos hutus na região, os baniamulengesiniciaram uma rebelião em outubro de 1996, liderados por Laurent-Désiré Kabila. O movimento contou com o apoio decisivo da vizinha Uganda e do regime tutsi de Ruanda, e ganhou rapidamente a adesão da população, insatisfeita com a pobreza e a corrupção no governo.23 Nos meses seguintes aumentaram os choques entre a guerrilha, batizada de Aliança das Forças Democráticas pela Libertação do Congo-Zaire...
tracking img