Quanto mais quente melhor

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 18 (4434 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 28 de junho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
O ALUNO EM FOCO

Eduardo Fleury Mortimer Luiz Otávio F. Amaral

A seção “O aluno em foco” traz resultados de pesquisas sobre idéias informais dos estudantes, sugerindo formas de levar essas idéias em consideração no ensino–aprendizagem de conceitos científicos. Este artigo discute as concepções dos estudantes sobre calor e temperatura, sugerindo quatro atividades para explicitá-las efavorecer a construção dos conceitos científicos correspondentes, que são básicos para a aprendizagem de conceitos mais avançados de termoquímica.

30

principais características das concepções cotidianas de calor e temperatura e sugerir atividades que favoreçam sua explicitação pelos alunos, de modo que eles possam perceber a relação entre essas concepções e os conceitos científicos de mesmo nome.Consideramos inviável querer extinguir as concepções cotidianas dos alunos sobre calor, temperatura, ensino de termoquímica, concepções alternativas calor e temperatura, enraizadas que estão na linguagem cotidiana, dada a existência de um grande número de mbora seja um conceito básico situações a que essas concepções são outros. para o entendimento da aplicadas com sucesso. Afinal, mesmo Oestudo, no ensino médio, das maioria dos fenômenos de inos cientistas entendem perfeitamente transformações envolvidas nesses teresse da ciência, não é simples o que se quer dizer com uma expresprocessos, normalmente sob o nome de definir energia. A definição clássica — são como “agasatermoquímica, envolve o a capacidade de realizar trabalho — lho bem quente”. uso de alguns conceitos A literaturadescreve está relacionada ao uso das primeiras Do ponto de vista — energia, calor, tempetrês características máquinas térmicas, nas quais a enercientífico, sabe-se ratura — que já estamos principais das gia química de combustíveis como a que o agasalho acostumados a usar no concepções de calor e madeira era usada para a produção de não é quente, mas nosso dia-a-dia. Essas temperatura vapor, que asmovimentava. apenas um bom palavras, no entanto, não apresentadas por Praticamente todas as formas de isolante térmico. têm o mesmo significado estudantes, que estão energia que conhecemos dependem, Seria, no entanto, na ciência e na linguagem intimamente direta ou indiretamente, da energia desconcertante comum. Isso tem sido relacionadas à forma luminosa que recebemos do sol. A chegar a uma lojacausa de dificuldades no como nos fotossíntese é o processo fundamené pedir ao vendeensino de química, pois na expressamos sobre tal pelo qual as plantas usam energia dor um “agasalho maioria da vezes o profesesses fenômenos na solar para transformar gás carbônico feito de um matesor trabalha conceitos vida cotidiana: e água em alimentos e combustíveis. rial que seja um mais avançados como • Ocalor é uma Nosso corpo depende da energia dos bom isolante tércalor de reação, lei de substância alimentos para executar suas funções mico e impeça Hess etc., sem uma • Existem dois tipos de vitais. Mesmo a energia usada nos meu corpo de trorevisão dos conceitos ‘calor’: o quente e o transportes e na produção da maioria car calor com o mais básicos. O resultado, frio dos materiais provém decombustíveis ambiente”. muitas vezes, é um fósseis, que em última análise originaPortanto, deamálgama indiferenciado • O calor é diretamente ram-se também por fotossíntese. A pendemos das de conceitos científicos e proporcional à obtenção de tanta energia para consuconcepções sobre cotidianos, sem que o temperatura mo humano tem causado muitos procalor e temperatualuno consiga perceber blemas ambientais —a poluição nas ra expressas na claramente os limites e contextos de grandes cidades, o aumento do efeito linguagem cotidiana para comunicar e aplicação de um e de outro. estufa e a chuva ácida, entre tantos sobreviver no nosso dia-a-dia. Em lugar Neste artigo pretende-se discutir as

E

QUÍMICA NOVA NA ESCOLA Calor e temperatura no ensino de termoquímica

N° 7, MAIO 1998

de tentar...
tracking img