Qual o pecado de cassandra?

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 4 (788 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 8 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Voltemos um pouco no tempo, precisamente à década de 1970. Segundo Adriane Piovezan, até o ano de 1974, Cassandra Rios – pseudônimo da escritora paulista Odete Rios - tinha 36 romances, dos quasecinquenta publicados, censurados (principalmente pelo regime militar). A justificativa, aplaudida por representantes dos mais diversos segmentos sociais, era que a obra de Rios atentava contra a moral eos bons costumes e servia de exemplo negativo para a juventude.
A Universidade, por outro lado, não se utilizava de argumentos relativos a questões éticas e morais, mas também ignorava o trabalho daautora. Sob alegação de que seu estilo era pouco sofisticado, sobretudo porque a linguagem dos romances era linear e direta, o cruel veredicto veio à tona: abaixo da crítica, literalmente.
Mas o queexatamente na obra de Cassandra Rios incomodava tanto a distinta sociedade cristã e a arrogante crítica literária do seu tempo? Talvez a resposta esteja no tipo de história que a autora se empenhouem contar. Histórias de amor, decerto. Mas o amor que Rios fazia questão de mostrar era proibido. Mais do que proibido, era condenado ao apagamento e, quando insistia em existir, obrigado a habitarlugares sujos e obscuros. De que tipo de amor, então, tratava? Que maneira de amar podia ser tão maldita? Era o amor entre iguais que a escritora trazia para as páginas sagradas do romance. Gays,travestis, bissexuais encontraram em seus textos um espaço. Seriam, no entanto, as mulheres que amavam mulheres as suas protagonistas favoritas e aquelas que a tornariam a pioneira da literatura lésbicanacional.
A autora produziu romances fortes, sedutores, sensuais. Em seus textos, o erotismo, as cenas de sexo entre mulheres eram constantes. A narrativa cassandriana extrapolou os limites do aceitávele acabou por dizer o indizível. Mais do que qualquer outro escritor de sua época, promoveu “o discurso veiculador do obsceno: daquilo que se mostra e deveria ser escondido”. (MORAES e LAPEIZ, 1984,...
tracking img