Qual o papel da filosofia na desconstrução de derrida

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2108 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA




PROJETO DE PESQUISA


QUAL O PAPEL DA FILOSOFIA NA DESCONSTRUÇÃO DE DERRIDA








Leonardo Paulino Alves
















João Pessoa
2011


UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA
CENTRO DE CIENCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES
PROGRAMADE PÓS-GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA





PROJETO DE PESQUISA


QUAL O PAPEL DA FILOSOFIA NA DESCONSTRUÇÃO DE DERRIDA




Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós-graduação em Filosofia da UFPB com vistas à obtenção do titulo de Mestre em Filosofia.










Leonardo Paulino Alves


Linha de pesquisa:Fenomenologia e Hermenêutica Filosófica










João Pessoa
2011
1. Introdução

Figura polêmica que tem provocado inquietações, acusações, elogios, críticas, aprovações, oposições, aplausos, admiração e desprezo, Derrida foi considerado por alguns como “o filósofo mais importante do fim do século XX. Infelizmente, ninguém tinha certeza se o movimento que ele gerou–Desconstrução – fez a filosofia avançar ou se a matou”.(Jim Powell in STRATHERN)
Definitivamente não há unanimidade sobre como outros estudiosos das humanidades, Rorty, por exemplo, têm enxergado Derrida na sua relação com a filosofia.
O que Derrida pretende com a sua desconstrução no que diz respeito ao compromisso com o pensar filosófico anterior? Teria com os seus antecessores uma ligação duplade aprendizado e ultrapassamento? Na criação de vocabulário próprio, pretende ele incomparabilidade de suas obras?
Em seu movimento de desconstrução, estaria ele ainda preocupado com a argumentação ou racionalidade? Quer continuar a ser filósofo? Pretende seguir regras para poder argumentar filosoficamente? Teria desistido da necessidade de argumentar com a tradição filosófica?
Naverdade, a busca por responder à pergunta sobre se há alguma continuidade para e com a filosofia depois da desconstrução leva, em si mesma, à pergunta sobre o que é a própria desconstrução, pois a constatação se ainda há compromisso com a filosofia e espaço para ela, depende da compreensão que se tem da abordagem Derridiana desconstrucionista.
O que é então desconstrução? É uma metodologia? Éuma abordagem de crítica literária? É uma proposta de leitura libertadora do texto? É um jogo sobre como se deve ler? É uma anarquia? É denúncia das amarras ideológicas presentes no que se lê? Pretende Derrida manter alguma distinção entre filosofia e literatura? Que papel resta para a filosofia após a desconstrução Derridiana?












2. Justificativa


A desconstruçãotem deixado suas marcas inegáveis. Arte, política, religião, cultura, literatura, ciências e a própria filosofia tem recebido o impacto deste movimento. Embora polêmico, o pensamento Derridiano, em seu longo alcance, tem proposto uma mudança paradigmática na maneira de argumentar de tal forma que a prática e a produção filosófica parecem não ser mais as mesmas a partir desta percepçãopós-estruturalista.
Como estudante de teologia, estou interessado no efeito que a desconstrução tem trazido sobre o fazer filosófico e, por conseguinte, no discurso teológico. Na história, a filosofia e o cristianismo sempre mantiveram um relacionamento de mútua influência. Apesar de, com o advento da modernidade, o centro ter se deslocado de Deus para o homem (ou razão), e a cosmovisão judaico-cristãter perdido sua força como moldura do pensamento ocidental, o cristianismo ainda exerce sua influência no ocidente. Ao mesmo tempo, a filosofia continua a se fazer sentir no discurso do cristianismo.
O que significa dizer, pois, que a desconstrução dentro do seu contexto filosófico, ao buscar desmantelar o logocentrismo (acusando-o de etnocentrismo do pensamento ocidental), marca a...
tracking img