Qual a missão da igeja na sociedade atual

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2855 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
qual “Mas, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é o cabeça, Cristo, de quem todo corpo, bem ajustado e consolidado, pelo auxílio de toda junta, segundo a justa cooperação de cada parte, efetua o seu próprio aumento para a edificação de si mesmo em amor.” (Ef 4.15-16).

Resumo

Apresenta considerações sobre ética na vivência pastoral, em busca de mais compreensão arespeito dos relacionamentos entre pastores e pastoras, bem como sobre a Igreja Metodista e sua realidade contextualizada de forma saudável e salugênica. Considera o estabelecimento de relações harmoniosas por meio de maturidade espiritual e psicológica a partir de um eixo comum, a santidade resultante da integralidade do corpo pastoral. Trata da dimensão ética do sagrado e da liberdade individual comdisciplina e amor.

Palavras-chave

Confidencialidade, conflito, ética, sagrado, sentimento.

Josias Pereira: Mestre em Psicologia da Saúde, pastor com formação em teologia, professor da Faculdade de Teologia da Umesp desde 1986.
Introdução

Ao abordamos o tema Ética na vivência pastoral, convidamos os pastores e as pastoras a refletirem sobre a realidade do nosso ministério em seu contextoatual, especificamente na Igreja Metodista. Entendemos que qualquer discussão fora do contexto da Igreja Metodista como é e como está, não passa de discurso estéril, vazio e evasivo.

O tema, extremamente necessário e urgente, é fascinante; porém, complicado e sinuoso. Vale a pena discuti-lo e palmilhar por suas sendas. A proposta consiste em confrontarmos nossa realidade para podermos crescerem amor e graça.

Que Deus se faça presente em nós e entre nós, eis a oração que, com fervor, dirigimos ao Senhor Jesus Cristo.

A Igreja em que vivemos

Somos pastores e pastoras vivendo numa igreja muito interessante em razão de suas características; mas, por isso mesmo, apresenta aspectos que complicam e é um tanto dispersa. É concebida como uma igreja pluralista na qual, naturalmente,várias tendências teológicas e ideológicas coexistem. Essa coexistência deveria ser passiva e harmoniosa, embora conflitos estejam presentes. Daí a necessidade de vigoroso comportamento ético para uma convivência saudável e salugênica.

O enfrentamento desse estado de ser, nossa realidade histórica, implica obrigatoriamente na aceitação madura e consciente de nossas diferenças. E isso tornariaconcreto o discurso de que somos um povo que experimenta a unidade na diversidade. Isso, muito bonito, é um sonho que pode se realizar. Mas, depende de um profundo e amplo amadurecimento de seu povo e, mais especialmente, do ministério pastoral.

A idéia de que somos um ministério doente não nos parece correta, embora, sob a visão da psicologia da saúde, entendamos que há aspectos doentios edistorções que precisam ser corrigidas. Também o nosso pluralismo traz, no seu bojo, conceitos que dificultam os relacionamentos e causam, muitas vezes, distúrbios emocionais por não definir o que está certo ou errado.

A nosso ver, isso não é um mal, mas algo que precisa ser compreendido e administrado com muita sabedoria pela liderança da Igreja. A tradição de que somos um “povo que pensa e deixa osoutros pensarem” não pode significar que somos livres pensadores e que, por isso mesmo, podemos fazer prevalecer a nossa idéia individual.

Entendemos que essa Igreja pluralista está firmada em fundamentos doutrinários e princípios que devem nortear devidamente o comportamento ético de seus membros e que o ministério pastoral é o agente atualizador e realizador dessa proposta. Temos doutrinas ecostumes que estão definidos em nossos documentos oficiais. É preciso ter-se muito cuidado com os pontos de vista individuais. O pensamento individual há de estar devidamente engajado no pensamento básico da instituição na qual se encontra a servir.

Outro elemento complicador é a acentuada variação da formação acadêmica e pastoral do corpo ministerial: de um lado, enriquece muito; de outro,...
tracking img