Psicoterapias

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2226 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 25 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Centro de Estudos Psicanalíticos

CURSO: Formação em Psicanálise Clínica
ALUNO: Martinho Lutero Bauermeister

Módulo
PSICOTERAPIAS

SÃO PAULO
2010
TRATAMENTO PSICOTERÁPICO

A abordagem psicoterápica com o avanço da psicofarmacologia dos antidepressivos, não tem perdido terreno nos dias de hoje. Obviamente, o que aconteceu foi a maior aproximação dessas duas abordagens. Aliás, Balint,o pai da medicina psicossomática, observou que o melhor remédio é o próprio médico – continua verdadeiro. Contextualizando sua sabedoria, diríamos que o terapeuta para continuar sendo o melhor remédio na sua atuação clínica, tem que se manter atualizado nas ciências que abordam o ser humano na sua unicidade, como a biologia e a psicologia. Agindo assim, compreenderá melhor o paciente, nascarências, deficiências e nas idiossincrasias, tão ampliadas pelo estado depressivo, a ponto de ofuscar, às vezes, o seu potencial. Nesse sentido, todas as abordagens, e não só a psicoterapia, são válidas. Contudo, o sucesso terapêutico depende de variáveis como a escolha do método, o diagnóstico criterioso e a honestidade do terapeuta na sua aliança com o paciente. Após esse preâmbulo, apresentaremos aspsicoterapias mais importantes no tratamento da depressão.

Psicanálise:

Os sentimentos de perda e de culpa, freqüentes no deprimido, são importantes na motivação para uma psicanálise, sendo um dos motivos por que apresentaremos esse método em primeiro lugar. Um outro, é porque ele também serve de padrão à maioria dos outros métodos.

Ao longo de cem anos, a psicanálise tem sofridoreformulações constantes, graças aos novos conhecimentos e às cisões internas geradoras de novas escolas psicanalíticas. Porém, na estrutura fundamental, técnica de associações livres, e a análise da neurose de transferência continuam em destaque, desde que Freud abandonou a hipnose pelo divã.

É um tratamento que requer total dedicação por parte do terapeuta, psicanalista, em relação ao psicanalisado. Otempo de cada sessão é de cinquenta minutos. As sessões podem variar de três a cinco por semana e de acordo com a intensidade da depressão e suas reações.

Os conceitos básicos da psicanálise são o da teoria psicanalítica da sexualidade infantil, do conflito psíquico e da transferência. Acredita-se que após o desenvolvimento de uma neurose transferencial, a postura silenciosa do terapeuta,situada fora do campo visual do paciente, pode reforçar o surgimento desse estado mórbido, conduzindo a uma reorganização da estrutura do caráter, com diminuição das defesas patológicas. Para isso, alguns pré-requisitos são exigidos, tais como uma personalidade com um razoável nível de adaptação prévia, isto é, um ego forte, desejos de mudar de vida e capacidade de introspecção. Mas isso écontraindicado num quadro depressivo maior, com sintomas psicóticos e risco de autodestruição. Ao estudarmos o histórico dos profissionais da psicanálise, encontramos relatado a controvérsia sobre se o psicanalista deve, ou não, prescrever medicação. Quando ele é favorável à idéia de não prescrever, geralmente encaminha o paciente a um outro colega, para o acompanhamento medicamentoso. Essa conduta tende aser cada vez mais freqüente, devido a alguns processos judiciais contra psicanalistas, ocorridos sobretudo nos EUA.

Psicoterapia Psicanalítica:

Segue os mesmos princípios da psicanálise, no sentido de que o paciente é estimulado a falar livremente, evitando reprimir os seus sentimentos e idéias, assim como associações que lhe ocorram. A intervenção do terapeuta, por ser maior do que napsicanálise, faz com que as associações não sejam tão livres. O objetivo é trabalhar em cima de alguns focos importantes. As sessões acontecem de uma a três vezes por semana, numa diração variável entre vinte e cinqüenta minutos. O divã não é recomendável, a terapia pode ser face-a-face, com as cadeiras dispostas num ângulo de noventa graus, o que facilita a liberdade da fala do paciente e da atenção...
tracking img