Psicologia ocupacional

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1330 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 14 de novembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
TATIANA A. REZENDI

ESTRESSE: MECANISMO DE DEFESA DO CORPO
HUMANO CONTRA SITUAÇÕES ADVERSAS.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO
CURSO DE PSICOLOGIA
CUIABA – MT
ABRIL – 2010
TATIANA A. REZENDI

ESTRESSE: MECANISMO DE DEFESA DO CORPO
HUMANO CONTRA SITUAÇÕES ADVERSAS.

Relatório para avaliação de Estágio
Especifico I – Ênfase 2: Saúde
Contemporânea supervisionado pela
Prof. Ma. ElzaVasco e pela
Prof.Dra.Andolpha Silva
Santos.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DOM BOSCO
CURSO DE PSICOLOGIA
CUIABA – MT
ABRIL – 2010
1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

1.1. Estresse

Diante das diferentes definições de estresse, para Sely,(1954) o

estresse é uma resposta não especifica do organismo diante de qualquer

situação que ameace a homeostase do individuo, gerando a necessidade

demobilização para enfrentar o evento causador do desequilíbrio

biopsicossocial.

Segundo o modelo de Lipp (2002),são quatro as fases do

estresse: alarme, resistência, quase-exaustão e a exaustão a distinção das

mesmas se dá pela duração da ação do estressor e pelo aparecimento de

sintomas orgânicos e/ou psicológicos. Considerado um processo o estresse

acontece mediante de fases, nas quais asintomatologia e a forma de manejo

são diferenciadas de acordo com a etapa observada.(Lipp,2003) . A fase

inicial é a fase do alarme que é considerada a resposta inicial do organismo

diante o estressor, em que são desencadeadas umas serie de reações

fisiológicas para a sobrivência, a fase da resistência acontece quando há

a persistência do estressor, predominando a reação passivana busca pela

adaptação. (Lipp, 2003).

A quase exaustão caracteriza-se pelo inicio do enfraquecimento

do organismo diante do estresse, podendo surgir doenças, mas ainda

não tão grave quanto á fase de exaustão. A exaustão evidencia-se pela

impossibilidade de resistência ao estressor e surgimento de patologias

orgânicas e psíquicas, sendo que o estressor permanece atuando, por umfracasso adaptativo, pode levar á morte. São patologias observadas nesta

fase: doenças cardíacas, auto -imunes, síndrome de Burnout, depressão

dentre outras(Lipp,2003).

Lipp(2003)define estresse “[...]como reação psicofisiológica

muito complexa que tem sua gênese na necessidade do organismo fazer

face a algo que ameace sua homeostase interna ”Nesse sentido, o estresse

pode serconcebido como uma resposta necessária á manutenção da vida do

organismo.

Para Guimarães (2002,p.42),”[...]é importante ressaltar que

toda mudança, grande ou pequena, positiva ou negativa agradável ou

não pode causar estresse e este se caracteriza por ser um processo

e não uma doença única” Cruz ,Scherer e Peixoto(2004) concordam

acrescentando que neste processo, estão incluídosinúmeros variáveis ,

fatores ambientais, psicossociais e pessoais.

Segundo Sarda Jr.,Legal e jablonski jr.(2004),o estresse não é

apenas uma mera reação, mas um processo, pois se trata de uma cadeia de

reações cuja a função é adaptar o organismo a tomada de decisão rápida,

geralmente ligada á sobrevivência ,há necessidade de ser mantido o nível

de estresse adequado para ser teruma produtividade satisfatória para um

dado momento, pois a evocação de maiores ou menores defesas em relação

á percepção do evento possivelmente trará danos pela inadaptação ou falta

de reatividade.

1.2. Fontes do Estresse

As fontes de estresse são os estressores, são estímulos que podem

ser de origem interna ou externa. Para Carvalho e Serafim (2002) estímulos

internos é arelação do individuo com o meio em que vive, como lida com

suas dificuldades e mudanças no trabalho, suas limitações. já para os autores

estímulos externos são o meio ambiente em que o individuo vive ,as condições

familiares, a escolha e o local de trabalho, as circunstâncias em que exerce a

profissão, características desse tarbalho,tempo que permanece no trabalho etc.

A associação...
tracking img